Depois de oito anos, Silvio Santos libera novo cenário para jornais do SBT

Silvio Santos abriu o bolso e liberou novo cenário para o telejornalismo do SBT (foto: Divulgação/SBT)
Silvio Santos abriu o bolso e liberou novo cenário para o telejornalismo do SBT (foto: Divulgação/SBT)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Após oito anos de intenso funcionamento, Silvio Santos finalmente autorizou a aposentadoria do telão utilizado pelo telejornalismo do SBT. O empresário liberou o planejamento de um novo cenário para os programas jornalísticos da emissora e, se nada mudar, a modificação deverá ser feita em agosto, como parte das comemorações do aniversário de 40 anos da emissora. A Redação de Jornalismo, plotada até hoje com o grafismo de um programa que saiu do ar em 2013, também será remodelada e ganhará melhorias em seus equipamentos.

A modificação dos cenários dos telejornais e do Fofocalizando já era uma vontade antiga dos executivos da emissora. Eles, porém, sempre esbarravam no veto do dono do Baú: o telão foi montado com uma tecnologia MicroTile, que o empresário descobriu durante suas férias nos Estados Unidos. O investimento no equipamento só terminou de ser pago no ano passado, sete anos depois da compra das peças. Nesse meio tempo, a cenografia chegou a sugerir que a disposição das telas fosse modificada, mas esbarrou na sensibilidade dos dispositivos: se fossem tirados das posições atuais, simplesmente poderiam não ligar mais — e não haveriam peças substitutivas para eventuais danos.

Desde que entrou no ar, o atual “aquário” do telejornalismo do SBT teve apenas uma leve modificação seis meses depois de sua estreia. Em novembro de 2013, o cenário foi modificado para a remoção das faixas de neon que contornavam o telão — a direção da emissora não gostou de ver o ambiente comparado com a fachada de casas de amor intenso, e aproveitou que ainda existiam outros MicroTiles para serem instalados naquela época.

Antes de virar realidade, os projetos de novos cenários ainda terão que ser aprovados por Silvio Santos. Ou seja: ainda há o risco do empresário desistir da ideia se os custos forem maiores do que ele espera. Nos bastidores, a torcida é para que a cenografia tenha a sabedoria de bolar um estudo dentro das possibilidades financeiras da emissora e não tentem propor o uso de tecnologias caras demais para a realidade da empresa.

Leia mais