Entidade inicia testes do sistema que substituirá atual padrão de TV digital

Novo sistema de TV digital viabilizará segmentação maior da programação e comercialização (foto: Reprodução)
Novo sistema de TV digital viabilizará segmentação maior da programação e comercialização (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (Fórum SBTVD) inicia nesta semana os testes de laboratório e de campo da TV 3.0, novo sistema de TV digital que substituirá o padrão atual. Para avaliar as tecnologias que serão empregadas na TV 3.0, uma chamada internacional (Call for Proposals) foi publicada em julho de 2020 para receber propostas de tecnologias do Brasil e de outros países. No total, 21 organizações de diferentes países responderam à chamada internacional.

Para escolher as tecnologias que serão adotadas na TV 3.0, serão conduzidos testes em laboratório e de campo, que serão financiados pelo Ministério das Comunicações por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e que contarão com mais de 70 pesquisadores de sete universidades envolvidas durante os cinco meses de testes, além dos engenheiros e especialistas das empresas associadas ao Fórum SBTVD.

Nesse momento, as universidades estão organizando os preparativos e recebendo os equipamentos que serão utilizados para os testes das propostas de tecnologias, com o acompanhamento constante do Fórum SBTVD.

“Teremos muito trabalho pela frente, mas acreditamos que, além de fornecer informações muito valiosas para a seleção das tecnologias mais apropriadas para a próxima geração de televisão digital no Brasil, esses testes também serão uma referência muito importante para outros países, ao avaliar e comparar as tecnologias de ponta de camada física, camada de transporte, codificação de vídeo, codificação de áudio, captions e codificação de aplicações”, comenta Luiz Fausto, coordenador do Módulo Técnico do Fórum SBTVD.

A iniciativa fortalece os esforços do setor de radiodifusão que segue trabalhando em iniciativas transformadoras, voltadas para o atendimento das necessidades dos telespectadores e, que ao mesmo tempo, ofereçam um serviço de última geração, de forma gratuita. Segundo Fausto, a TV 3.0 trará inúmeras melhorias na experiência, entre elas: mais qualidade de som e imagem que a TV Digital atual, conteúdo mais segmentado geograficamente e de acordo com o perfil do telespectador, e uma integração ainda mais transparente entre TV aberta e Internet.

Para o mercado de radiodifusão é um grande avanço. A TV aberta vai continuar tendo uma plataforma de distribuição competitiva em termos de qualidade e experiência do usuário. “Ela será capaz não apenas de manter o engajamento da audiência, mas também de viabilizar novos modelos de negócio, com uma segmentação maior da programação e comercialização, e a partir da maior integração com a Internet”, ressalta o coordenador.

Caso os resultados dos testes sejam satisfatórios, ou seja, que permitam a identificação de tecnologias candidatas que atendam os requisitos estabelecidos para o projeto TV 3.0, eles serão considerados pelo Conselho Deliberativo do Fórum SBTVD, em conjunto com as avaliações dos Módulos Técnico, de Mercado e de Propriedade Intelectual, para recomendar ao Ministério das Comunicações um conjunto de tecnologias apropriadas para a próxima geração de televisão digital no Brasil.

Após aprovação do Ministério das Comunicações, o Módulo Técnico do Fórum SBTVD trabalhará na elaboração das normas técnicas da TV 3.0. “Uma vez que as normas estejam publicadas pela ABNT e referenciadas na regulamentação do serviço de radiodifusão, as emissoras poderão ser autorizadas pelo governo a iniciar a operação do novo sistema”, explica Luiz Fausto. Essas mudanças podem acontecer a partir de 2023, com uma adoção progressiva ao longo dos anos subsequentes.

Leia mais