Gloria Groove é o resultado da multiplicação de talento e inspiração

Versatilidade é uma das grandes marcas de Gloria Groove (foto: Reprodução)
Versatilidade é uma das grandes marcas de Gloria Groove (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A explosão drag nessa última década causada, principalmente, pela popularização do reality RuPaul’s Drag Race, fez com que a arte drag ganhasse uma nova definição ao redor do mundo, tanto que o próprio reality expandiu sua premiação e capacidade de produção com o passar do tempo, mesmo que o nome de RuPaul fosse o suficiente para que ele permanecesse vivo até hoje. O reflexo disso chegou ao Brasil e, como sempre, uma moda aqui tem um sabor diferente. Experimentamos uma invasão drag no mainstream e as mais diversas artistas passaram a ocupar espaços importantes na música e cultura nacional.

Entre essas, está Gloria Groove. Ela não é exatamente a drag queen mais seguida do mundo, com suas músicas sendo reproduzidas nas rádios, apesar de isso não ser uma constante para nenhuma delas. Mas o que ela apresenta e representa tem significados maiores para sua carreira e para a comunidade LGBT em forma de arte que nem todo mundo consegue mensurar. Com referências majoritariamente femininas, desde o soul e gospel até o hip hop e pop, Gloria temia o rótulo de drag rapper, o que de certa forma acabou por torná-la diferenciada.

Esse temor fez com que surgisse uma das carreiras mais versáteis que pudemos acompanhar nos últimos tempos. Essa versatilidade é a marca de Gloria, que tem excelência no rap, pop, funk, R&B e diversos gêneros. Aliada a isso, sua inteligência é mais uma prova de que sabe como se jogar na indústria e que as escolhas que toma tem objetivos tão definidos que acabam se concretizando. Bumbum de Ouro foi sua primeira aposta abertamente pop e foi um tiro certeiro, um hit que a colocou no radar definitivamente.

Agora, preparando terreno para o lançamento de seu segundo álbum, Lady Leste, a proposta é unir todas as suas versões em uma nova persona, que também representa as figuras femininas da Zona Leste de São Paulo. Bonekinha é o start que reúne rock e funk com os vocais tradicionais e espertos de Groove, resultando no mais puro suco de pop nacional. A música tem toda a identidade de Gloria, mas é um experimento de um intercâmbio cultural que deixa muito rockeiro de cabeça em pé, o que só prova a genialidade da mistura, ainda mais nesse momento em que o pop punk passa por um momento de reaquecimento.

E com tudo isso, ainda parece pouco para a artista. Gloria não é exatamente o arroz de festa que a maioria dos artistas envolvidos com hip hop acabam se tornando, principalmente nos Estados Unidos e Europa, mas suas colaborações normalmente são pé-quente e conseguem trazer resultados para o artista principal e para ela, como convidada.

Colaborações que passam por Lexa, Manu Gavassi e Iggy Azalea e agora chegaram à Ludmilla, outra artista reconhecidamente versátil e talentosa, que abriu espaço para um evento que mostra muito do que a música nacional se tornou e como ela está em boas mãos. O Lud Session com participação de Gloria Groove é um deslumbre, reconhecido por Caetano e com um turbilhão de visualizações em apenas 2 semanas de publicação.

Gloria também colabora com Thiaguinho em Presente do Céu, alcançando também o pagode e seu público, o que poderá ser ouvido e visto a partir desse dia 29. Tantos passeios que Gloria Groove fez nesses últimos tempos reforçam a teoria de que a versatilidade é o principal eixo de sua carreira.

A riqueza do seu talento, escancarado a cada aparição na TV, é algo que merece reconhecimento de lendas, de cantores atuais que a chamam para colaborar e de todo mundo que tem a oportunidade de ouvir quem canta com tanta propriedade sobre sentimento e acolhimento, assim como canta sobre dançar e curtir uma noite como a dona de um império.

Aqui vai uma última recomendação especial de quem sempre ouve a Dona: Rolê com Carol Biazin, um pop delicioso e que dá até raiva de não chegar ainda mais longe. Vale a pena ouvir, até demais.

Gabriel Bueno é publicitário de formação, atua no mercado desde 2013 nas áreas de criação, mídia e produção. Viciado em acompanhar música, sempre disposto a comentar premiações, álbuns, videoclipes e tudo que envolve o meio musical. É o autor da coluna Decifrando, publicada no TV Pop semanalmente. Siga o colunista no Twitter: @GabrielGBueno_. Leia aqui o histórico do colunista no site.

Leia mais