FILHA DE GLÓRIA PEREZ

HBO Max prepara lançamento de série sobre a morte de Daniella Perez

Daniella Perez foi assassinada por seu par romântico em novela da Globo (foto: Divulgação)
Daniella Perez foi assassinada por seu par romântico em novela da Globo (foto: Divulgação)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A HBO Max lançará no próximo ano uma série documental sobre a história da morte de Daniella Perez, assassinada em 1992 por Guilherme de Pádua e Paula Nogueira Thomaz. A atriz é filha da autora Glória Perez, que participará do seriado com depoimentos sobre o assunto, que também serão concedidos por familiares e amigos. A produção, que ainda não tem uma data definitiva para ser disponibilizada na plataforma de streaming, contará com a direção de Tatiana Issa e Guto Barra, que também assinarão o roteiro da obra.

Daniella Perez foi morta em 28 de dezembro de 1992 pelo ator Guilherme de Pádua, com quem fazia par romântico na novela De Corpo e Alma, e por sua então esposa Paula Nogueira Thomaz, que armaram uma emboscada para lhe matar com 18 punhaladas, que perfuraram o pescoço, pulmão e coração da atriz. Pádua estava inconformado por ela não ter correspondido as suas investidas, feitas na tentativa de conseguir mais espaço na telenovela da Globo, e teve um ataque de fúria por ter tido a sua participação na trama reduzida na semana que antecedeu o crime.

Paula, por sua vez, tinha ciúme das cenas de seu marido com a filha de Glória Perez. O casal foi julgado e condenado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima, e cumpriram apenas seis dos 19 anos da condenação em regime fechado. Em maio de 2002, os dois foram condenados a indenizar Glória e o então marido de Daniella, o ator Raul Gazolla, em 500 salários mínimos (cerca de R$ 440 mil cada) e obrigados a arcar também com o pagamento das despesas do sepultamento e do funeral.

Em entrevista ao UOL, o viúvo da atriz pontuou que preferia a prisão perpetua de Pádua e Paula, e não a obrigação do pagamento de uma multa. “O que eu posso dizer é que não existe dinheiro no mundo que pague um assassinato. Dinheiro não paga assassinato. O que eu gostaria mesmo é de não receber nenhum tostão, contanto que os assassinos ficassem atrás das grades e não soltos curtindo a vida como os dois andam fazendo por aí. Para mim assassino tem que ficar preso”, afirmou.

Leia mais