ATIREM DIRETO NO MEU CORAÇÃO

Ilze Scamparini lança livro de ficção: “Foi como viver outra vida”

Foto de Ilze Scamparini para o lançamento de seu primeiro livro de ficção científica
Ilze Scamparini lançou seu primeiro livro Atirem Direto No Meu Coração (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Ilze Scamparini faz sua estreia como escritora em livros de ficção. A repórter da Globo na Itália lançou o romance Atirem Direto No Meu Coração, da Editora Harper Collins. Baseado em uma personagem da vida real, a jornalista escreveu o livro nas madrugadas após o expediente de trabalho.

“Foi como viver outra vida. Durante o dia e parte da noite, eu desempenhava as minhas funções desta vida. Na madrugada, entrava num mundo completamente desconhecido pra mim, era como assumir outra identidade. Pude ultrapassar a barreira que separa os fatos da ficção”, relatou ela para a Quem.

O livro conta a história de Yana, uma sérvia que se alista como soldada de milícia na esperança de morrer durante os combates da guerra do Kosovo, em 1998. A personagem nasceu de uma entrevista. “Conheci a Yana por acaso. Quando me dei conta, tinha aquela pessoa na minha frente, contando coisas que me pareciam inacreditáveis. Foi um longo processo”, disse Ilze Scamparini.

“O primeiro desafio foi arrancar um testemunho que parecesse verdadeiro. Essa experiência me mostrou que quando se trabalha com a memória, ainda mais com lembranças de morte e destruição, as verdades mudam de lugar e os fatos são removidos da mente. Foram necessários anos de entrevista para que os acontecimentos fossem voltando à lembrança”, afirmou.

A jornalista relembrou o processo para a criação do projeto. “Penso que, no fundo, ela queria, precisava contar a sua experiência, até para diminuir o senso de culpa que as guerras deixam nos combatentes. Eu só fui o instrumento possível para isso. Da minha parte, queria escrever um livro que tivesse uma personagem forte, diferente, que viesse de um lugar mais distante, longe da minha cultura ítalo- brasileira e de uma paisagem conhecida para mim. Esse também foi um estímulo adicional, trabalhar a imaginação. A minha Yana é apenas inspirada na Yana real, portanto foram necessários outros anos de pesquisa, com outros personagens, para que a Yana pudesse finalmente ter uma história completa.”

 

Leia mais