NOVO ANO, TUDO NOVO

Análise: O que podemos esperar do cenário musical em 2022?

Roberto Medina é o criador do Rock in Rio, festival será retomado em 2022
Roberto Medina é o fundador do Rock in Rio: festival deverá voltar em 2022 (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O ano de 2022 chegou e está recheado de expectativas. Assim como todos, o setor musical espera que a pandemia finalmente possa se transformar em assunto passado e sua movimentação habitual de lançamentos, shows e festivais possa voltar a uma certa normalidade. Mas diante do momento que passamos por esses quase dois anos, a indústria da música precisou se adaptar e as tendências já não são as mesmas, previsíveis como antes.

Claro que artistas com grandes investimentos e um bom nome de mercado continuam e devem continuar recheando as paradas e playlists mundiais, mas nem tudo depende só das ações das gravadoras. As estratégias agora estão num ambiente que antes parecia ser apenas um apoio, mas agora é a principal ferramenta de sucesso. O digital agora é o maior aliado da música e, com isso, tudo é diferente.

Os palcos gigantes e produções megalomaníacas de shows são artefatos muito importantes para chamar a atenção e sempre foram usados com esse intuito, só checar as gravações ao vivo de cantores e cantoras sertanejos. Mas com a falta desses shows e gravações, o gênero parece que esmoreceu e depende exclusivamente de artistas dedicados a entregar trabalhos e projetos que não caiam na mesmice, o que passou a acontecer com a onda de sucesso de Marília Mendonça. Não por acaso, essa deve ser a principal inspiração para uma renovação do gênero, principalmente entre os artistas masculinos. Na ausência de um nome tão impactante e inovador como ela, é preciso entender o caminho que a faz ser uma referência ainda maior a partir de agora.

Ao mesmo tempo, os artistas independentes enxergaram uma oportunidade de investir na linguagem digital, não só na comunicação direta, mas na forma de lançamento e, principalmente, criação de videoclipes, apresentações e conceitos visuais de seus trabalhos. Tanto é que os artistas de mainstream em sua maioria começaram a investir nessa linguagem em 2021, conseguindo combinar o não-usual com o que é aceitável em ambientes de mídia de massa, e isso deverá continuar em 2022.

De certa forma, isso beneficiou a música pop e a underground também, já que a busca por conteúdos semelhantes vão levando a outros lugares e sempre param nos artistas “fora do meio”, que assumem uma responsabilidade invisível de protagonizar o cenário musical e é por isso que sempre há novos ciclos e novos nomes surgem com força, como Marina Sena, por exemplo. Isso é extremamente natural para a indústria, mas agora todos conseguem perceber com maior facilidade e a música se renova numa velocidade jamais vista.

Como nova tendência e com ares de que retorna com mais força em 2022, o rock vai realmente precisar do gás que o pop punk e emo devem trazer para o gênero neste ano. Os festivais de música, em sua maioria, alegraram o público ao anunciar alguns artistas, exemplo é o Rock in Rio com Avril Lavigne, apesar de todos acusarem certo desprestígio ao incluírem seu show no Palco Sunset. Se posso falar, o Palco Sunset sempre é o mais empolgante do RiR, principalmente pela diversidade e qualidade de artistas e pautar o que é presente na música.

Com tudo isso, é impossível terminar o texto sem um aviso. A música está presente em nossas vidas desde sempre e é assim que ela vai permanecer. Em 2022, só teremos o prazer de conhecer outras formas de consumo e estratégias musicais, além de observar o crescimento pontual de gêneros que já fazem parte da nossa história, bem como uma possível e necessária renovação dos que estamos ouvindo recentemente. Porque a história funciona assim e com a música não seria diferente. Ela vai estar presente na TV, no rádio, na internet, nos bares e boates, nos celulares, no shopping, etc. Mas, finalmente, ela vai poder sentir a presença de todos, de novo.

Gabriel Bueno é publicitário de formação, atua no mercado desde 2013 nas áreas de criação, mídia e produção. Viciado em acompanhar música, sempre disposto a comentar premiações, álbuns, videoclipes e tudo que envolve o meio musical. É o autor da coluna Decifrando, publicada no TV Pop semanalmente. Siga o colunista no Twitter: @GabrielGBueno_. Leia aqui o histórico do colunista no site.

Leia mais