Gabigol tenta censurar Globo na Justiça, mas não consegue liminar

Gabigol tentou censurar a Globo na Justiça, mas não conseguiu (foto: Reprodução/TV Globo)
Gabigol tentou censurar a Globo na Justiça, mas não conseguiu (foto: Reprodução/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O atacante Gabriel Barbosa Almeida, mais conhecido como Gabigol, entrou com uma ação judicial contra a Globo para impedir a emissora de veicular o último episódio de Predestinado, série documental produzida pelo Globoplay que conta a história do atleta. O jogador do Flamengo não gostou de ver a sua ida a um cassino clandestino narrada na produção, e pediu para que a empresa fosse impedida de colocar informações sobre o caso no material exibido pela plataforma de streaming, sob pena de R$ 2 milhões por dia de exibição. O TJRJ, no entanto, não concedeu a liminar e autorizou que a emissora continuasse falando sobre o caso no documentário.

Até então, Predestinado era uma espécie de biografia autorizada de Gabigol. Ele e a Globo assinaram um contrato de exclusividade para a produção do documentário de sua história de vida e de sua trajetória no futebol brasileiro, mas a advogada Jeancarla Mateus Jacomin afirma que a empresa se comprometeu contratualmente a fazer apenas “uma homenagem para emocionar os fãs, e servir como marco de seu sucesso e incontestável ingresso na história do futebol brasileiro”.

Ainda de acordo com a advogada, o atacante flamenguista não foi consultado em momento algum sobre a inclusão do episódio envolvendo o cassino na série, sendo que o contrato previa participação ativa dele na produção de todo o documentário. “A pretensão da Ré [incluir o noticiário sobre a detenção temporária do jogador] se mostra totalmente contrária à tal premissa, configurando-se em exposição midiática de assunto estritamente relacionada à vida pessoal do atleta e extremamente delicado, que ainda está em discussão sob judice e cuja exposição de uma forma inadequada pode comprometer e/ou macular a sua imagem”, afirmou Jeancarla.

O juiz de plantão do TJRJ, no entanto, não deu razão para Gabigol. Em sua decisão, publicada na manhã deste domingo (21), ele considera que é improvável que o jogador não tenha sido previamente avisado da alteração no último episódio de sua série, e cita como prova uma entrevista concedida pelo jogador ao Fantástico de domingo passado, dia em que o jogador foi levado para prestar esclarecimentos em uma unidade policial de São Paulo.

“Na manhã do dia 20 de março de 2021, o Requerente tomou conhecimento que a Requerida, sem qualquer comunicação prévia ou anuência, irá lançar no domingo, dia 21 de março de 2021, o 4º (quarto) episódio do documentário ‘Predestinado’, narrando os ‘detalhes’ da ‘ida do atleta Gabigol a um local que foi descrito como sendo um ‘cassino’ e, que devido a aglomeração de pessoas que se encontravam no local, o mesmo foi convidado a se retirar do recinto e prestar depoimento junto as autoridades competentes”, afirmou o juiz.

“Ressalta-se que o próprio jogador do Flamengo, em entrevista concedida ao programa Fantástico, disse estar arrependido, deixando evidente que o fato ocorrido no dia 13 de março é público e notório”, concluiu o TJRJ. Com a decisão, o episódio de Predestinado já foi disponibilizado no Globoplay e, logo em seus primeiros minutos, já abre espaço para o episódio do cassino. Agora, o processo correrá normalmente, e não mais em caráter liminar — isso se a defesa do jogador não desistir da ação.

Relembre o caso

Gabigol, atacante do Flamengo, e MC Gui, funkeiro, foram detidos na madrugada de domingo (14), num cassino de luxo no bairro Vila Olímpia, na cidade de São Paulo. Além de jogos de azar serem proibidos no Brasil, os frequentadores estavam desrespeitando as regras sanitárias de combate ao coronavírus.

De acordo com a Polícia Civil, o deputado Alexandre Frota (PSDB) foi o responsável pela denúncia sobre o cassino em que estava o jogador de futebol, o funkeiro e outras 200 pessoas. Eles foram conduzidos à delegacia e assinaram um termo circunstanciado, comprometendo-se a prestar esclarecimentos futuramente e foram liberados.

Pela legislação brasileira, são considerados jogos de azar aqueles que dependem exclusivamente da sorte dos participantes. Além disso, há um decreto em vigor que proíbe festas e aglomerações em todo o estado de São Paulo. A polícia informou ainda que o jogador foi encontrado escondido embaixo de uma mesa tentando se esconder da fiscalização.

Leia mais