Jair Bolsonaro se revolta e chama repórter do SBT de “idiota” ao vivo

Repórter do SBT da Bahia é ofendida por Jair Bolsonaro (foto: Reprodução)
Repórter do SBT da Bahia é ofendida por Jair Bolsonaro (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Uma repórter do SBT foi ofendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta segunda-feira (26) durante ato de inauguração da duplicação de trecho da BR-101 na cidade de Conceição do Jacuípe, a 102 km de Salvador. A jornalista Driele Veiga, da TV Aratu, afiliada do SBT na Bahia, questionou o presidente sobre as críticas de que foi alvo após ter posado para uma foto em Manaus com o apresentador Sikêra Júnior, da TV A Crítica e RedeTV!, e uma placa onde estava escrito CPF cancelado, que faz referência a pessoas que foram mortas. As informações são da Folha de S. Paulo.

“Não tem o que perguntar, não? Deixa de ser idiota”, disse Bolsonaro ao responder ao questionamento da repórter. A jornalista do SBT da Bahia estava ao vivo no programa Que Venha o Povo, exibido pela TV Aratu. O Sinjorba (Sindicato dos Jornalistas da Bahia) repudiou em nota a atitude de Bolsonaro ao agredir verbalmente uma profissional “somente por estar exercendo seu ofício que é entrevistar aquele investido em cargo público”.

“A maior autoridade do país não pode incentivar desrespeito aos direitos humanos e nem agir com grosseria com a imprensa, que é os olhos e a forma de comunicação entre os poderes e a sociedade”, afirmou o presidente do Sinjorba, Moacy Neves, em nota. A Associação Baiana de Imprensa repudiou o episódio, classificando-o como uma “assediosa agressão verbal contra a jornalista”, e se solidarizou com a repórter.

Procurada pela Folha de S.Paulo, a afiliada do SBT não quis comentar o assunto. Em uma rede social, Driele Veiga lamentou a atitude do presidente: “A mim o xingamento não ofendeu. Só mostrou que estava no caminho certo. Sou jornalista e estou aqui para perguntar, por mais que a indagação incomode. Se fosse para agradar o entrevistado eu não seria jornalista e sim publicitária”. Na sexta-feira (23), uma equipe da TV Cultura do Pará foi agredida por apoiadores do presidente enquanto trabalhava na cobertura da visita de Jair Bolsonaro a Belém.

 

Leia mais