Andressa Urach dá detalhes de como começou a se prostituir aos 21 anos

Andressa Urach contou detalhes sobre como decidiu se prostituir (foto: Reprodução)
Andressa Urach contou detalhes sobre como decidiu se prostituir (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Andressa Urach foi entrevistada por Rafinha Bastos para o podcast Mais que 8 Minutos e contou sobre situações em que viveu enquanto era prostituta. A modelo revelou como entrou nessa vida e como se sentia. “Eu tinha 21 anos quando me apresentei pela primeira vez e não tinha nada de grana. A minha amiga me falou desse lugar [bordel] e eu não gostei. Achei o ambiente meio sujo e eu ia voltar pra casa, mas a dona do ambiente que é bem conhecida em Porto Alegre, me apresentou um desembargador”, começou ela.

“Ele me ofereceu carona para ir pra casa e eu morava na Cohab. Eu fui a psicóloga dele e ele me deu um cheque de 500 reais. Eu ganhava mil reais em um mês e em uma noite ganhei metade do meu salário. Logo depois, eu descobri a melhor casa noturna da cidade e fui só com a passagem de ida, eu cheguei lá, conversei com um cara, contei da minha vida e que estava passando por problemas financeiros. Ele me perguntou quanto que eu precisava [de dinheiro] e eu disse que era mil reais”, contou a modelo.

A dançarina afirmou que entrou para o bordel para ficar rica. “Eu tive relação com ele e ele me deu os mil reais. O gerente da casa me disse que eu precisava de um nome e eu entendia de marketing… Eu sabia que a propaganda era a alma do negócio e ali eu me coloquei como um produto. Eu sabia que iria entrar pra ficar rica. Eu não saía do bordel com menos de três mil reais por dia. Eu cheguei a ficar com até sete homens em uma noite. Eu via aquilo como um trabalho. Eu pensava em dar um futuro pro meu filho, ter uma casa boa e na minha aposentadoria. Eu pensava muito no dinheiro”, disse ela.

Andressa Urach revelou que passou por situações humilhantes por dinheiro. “No bordel, eu passei por experiências muito ruins e eu tinha preço, não valor. Eu passei por situações bem humilhantes de masoquismo, sadomasoquismo, aceitei defecar na pessoa, urinar na pessoa e depois que eu ganhava a grana, eu pensava que eu era um lixo, sabe? Eu pensava que era sete mil reais, dez mil reais pra fazer isso e aquilo te vicia. Eu só pensava no dinheiro, eu não tinha mais sentimentos”, concluiu.

Leia mais