Geraldo Luís fracassa e Balanço Geral continua perdendo para o SBT

Geraldo Luís voltou para o Balanço Geral Manhã e perdeu para o SBT (foto: Reprodução/Record)
Geraldo Luís voltou para o Balanço Geral Manhã e perdeu para o SBT (foto: Reprodução/Record)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em uma estreia marcada por falhas técnicas e por uma total desorganização, Geraldo Luís não conseguiu tirar o Balanço Geral Manhã da terceira colocação. O jornalista, que se tornou o sexto apresentador do jornalístico em apenas cinco anos, não conseguiu destronar o Primeiro Impacto e perdeu para o SBT em todos os cenários que poderiam ser usados para comparação. Nem mesmo a edição regional do telejornal, que costuma disputar a vice-liderança em sua faixa horária, conseguiu ficar em segundo lugar nesta segunda-feira (7).

De acordo com os dados prévios da Grande São Paulo, que podem sofrer alterações na consolidação divulgada na terça-feira (8), o novo Balanço Geral Manhã estreou com média de 2,6 pontos em sua faixa completa, entre 6h e 8h28. Darlisson Dutra e Marcão do Povo, do SBT, ficaram na segunda colocação e garantiram 2,8 de média para a emissora de Silvio Santos. A Globo, com o Bom dia São Paulo e o retorno de Rodrigo Bocardi, liderou com 6,8.

Levando em consideração os recortes criados pela Record para maquiar o fracasso de seu telejornalismo matinal, o Balanço Geral também ficou atrás do SBT. A edição nacional do jornalístico, levada ao ar das 6h às 7h29, marcou 2,3 pontos de média e ficou na vice-liderança durante 28 minutos, com pico de 3,1. O Primeiro Impacto, apresentado na faixa horária por Darlisson Dutra, teve média de 2,5 pontos. Neste horário, a emissora cresceu 44% na comparação com as quatro semanas anteriores.

Na sequência, a edição regional do Balanço Geral Manhã também foi superada pelo SBT. Das 7h30 às 8h28, Geraldo Luís marcou média de 3,1 pontos e conseguiu um pico de 3,4 durante quatro minutos — índice idêntico ao obtido pelo telejornal nas quatro segundas anteriores, quando ainda era comandado por Bruno Peruka. O pico, porém, foi exatamente a média do SBT no confronto, com a exibição do policialesco de Dutra e Marcão do Povo. O jornalístico da Record foi vice-líder durante 12 minutos.

Se comparamos Geraldo Luís com os seus concorrentes diretos, ele permanece na terceira colocação. O ex-titular do Domingo Show foi superado por Darlisson Dutra por 2,3 a 2,5 pontos, entre 6h e 7h39, e também não foi páreo para Marcão do Povo. No confronto com o ex-apresentador do Balanço Geral DF, Geraldo perdeu por 3,1 a 3,5 pontos.

Estreia com falhas técnicas, brigas e falsas promessas

Em seu retorno para as manhãs da Record, Geraldo Luís continuou fazendo o que ele sabe fazer de melhor: enrolar o telespectador. Na sexta (4), em uma participação no Balanço Geral vespertino, o apresentador anunciou que exibiria em sua reestreia uma reportagem sobre um escândalo nos bastidores do Big Brother Brasil. Hoje, porém, não houve menção alguma ao conteúdo tão alardeado por ele três dias antes. No lugar, o jornalista prometeu a exibição de uma matéria especial sobre a prisão do filho do locutor Asa Branca.

A tal reportagem, no entanto, também foi esquecida. Geraldo Luís só se lembrou do “grande esforço da equipe” nos últimos segundos do telejornal e prometeu ao público que irá exibir a matéria na edição de amanhã. A tal denúncia sobre o reality da Globo, porém, sequer foi digna de esclarecimentos do âncora. Em outro momento, ele prometeu a presença de um famoso para tomar café da manhã ao seu lado. Esse famoso, no entanto, não apareceu. Geraldo, por sinal, demonstrou não ter entrosamento algum com a equipe do jornalístico.

Não foram poucas as alfinetadas e patadas distribuídas pelo apresentador durante às 2h30min do telejornal, levadas ao ar sem nenhum intervalo comercial, tampouco inserções de merchandising. Em seu primeiro dia, ele já arranjou motivos para se queixar do sonoplasta, dos câmeras e até mesmo do editor-chefe do jornalístico. No bloco regional, o âncora se queixou de uma das tarjas ao vivo, e disse que a equipe do programa estava estragando o seu suspense. Ele ordenou que o conteúdo fosse tirado do ar, como se a bronca já não tivesse chamado a atenção do telespectador.

Além das broncas, a estreia foi repleta de falhas técnicas que beiravam o amadorismo. O áudio do microfone de Geraldo Luís simplesmente sumiu em diversos momentos, e reportagens foram levadas ao ar com problemas de sonoplastia. O galo virtual, prometido pela assessoria de imprensa da Record em um comunicado divulgado na sexta-feira, virou uma lenda urbana. O mais próximo disso foi o áudio do bichano em alguns momentos, até que Geraldo também reclamou do volume do cacarejo. “Mataram o galo”, sentenciou ele.

Leia mais