Globo aposta em spin-off do Zorra Total para turbinar streaming e TV paga

Filme derivado de personagem do Zorra Total é aposta da Globo para streaming e TV paga (foto: Divulgação/TV Globo)
Filme derivado de personagem do Zorra Total é aposta da Globo para streaming e TV paga (foto: Divulgação/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em uma aposta um tanto quanto ousada, a Globo decidiu apostar em um possível saudosismo das pessoas com o Zorra Total para turbinar as assinaturas de seus serviços de streaming e TV por assinatura. A empresa irá investir pesado na divulgação da comédia Lucicreide Vai Pra Marte, feita a partir de um dos mais famosos personagens do extinto humorístico. O longa, que teve sua performance nos cinemas prejudicada por conta da crise sanitária, terá estreia simultânea no Globoplay e no Telecine Pipoca neste sábado (26).

A personagem título é interpretada pela atriz Fabiana Karla, que retomará o papel após ter sido alçada ao sucesso por conta dele, há 17 anos. Lucicreide, por sinal, foi um dos personagens mais longevos do Zorra Total, tanto que seguiu fazendo parte da atração da Globo até a extinção do formato, em 2015, quando a atração foi remodelada e passou a se chamar apenas Zorra. A aposta na produção é tão grande ao ponto de justificar uma temporada de sinal aberto do Telecine para todos os assinantes de pacotes de TV por assinatura, que só será encerrada em 4 de julho.

“A Lucicreide é minha homenagem mais sincera a todas as mulheres que me rodearam na vida. As lavadeiras, as tias, as avós, as vizinhas. Uma sonoridade muito familiar à minha infância, quando eu escutava as mulheres cantando ao lavar as roupas. O tom de voz vai do esganiçado para o bravo em segundos. Eu achava engraçado vê-las chorando porque era muito intenso, teatral, com caras e bocas. Eu olhava para essas mulheres que me cercaram e via tristeza, ingenuidade, inquietude, a força da mulher nordestina. Uma orquídea com força de leão”, pontuou a atriz.

No filme, a casa da personagem vira um inferno depois da chegada de sua sogra que, despejada, resolve morar por lá. Abandonada pelo marido Dermirrei e sem conseguir liderar seu lar diante dos seus cinco filhos, ela só tem o desejo de ir embora para bem longe. Sem entender a dimensão de uma viagem espacial, ela aceita participar de uma missão que levará o primeiro grupo de humanos ao planeta vermelho e é inscrita pelo filho de seus patrões, Tavinho.

Nisso, ele lembra que seu pai estava selecionando uma pessoa para integrar um treinamento que levaria um brasileiro ou brasileira para Marte. Acreditando que vai deixar seus filhos felizes, Lucicreide decide partir para o treinamento em Cabo Canaveral, nos Estados Unidos. Para dar realismo a essa trama, o diretor Rodrigo César e Fabiana, que também é produtora do filme, rodaram parte das filmagens dentro da NASA, que inclui até um voo em gravidade zero. O resultado, segundo ela, é ao mesmo tempo divertido e emocionante.

“Fiquei como se fosse uma geleia. Eu lutando para voltar para o eixo da câmera, me esmerando muito para não voar o lencinho. Acho que meus filhos ficaram orgulhosos depois que eu mostrei para eles. Foi difícil, mas eu faria tudo de novo quando vejo as imagens. Eu não quis ficar devendo para o Tom Cruise, né? Ele também filmou naquele avião. Ele não usa dublê, pois eu também não. Adorei usar a tecnologia e oferecer cenas de verdade, mostrar que os pernambucanos sabem fazer um filme para cinema para todo mundo ver”, concluiu Fabiana.

Leia mais