Barraco de youtubers termina com processo milionário na Justiça

Barraco dos youtubers Letícia Azevedo e Rezende terminou com processo judicial (foto: Montagem/Redes Sociais)
Barraco dos youtubers Letícia Azevedo e Rezende terminou com processo judicial (foto: Montagem/Redes Sociais)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O bicho tá pegando no mundo dos youtubers! A videomaker Letícia Azevedo decidiu entrar com um processo contra Pedro Rezende, empresário do meio e também produtor de vídeos, exigindo que ele reconheça que ela foi funcionária de sua empresa de agenciamento, a ADR. Ela alega que tinha um vínculo empregatício formal com a companhia, e que prestava serviços de auxiliar de gravação, e pede uma indenização de meio milhão de reais, além das devidas verbas rescisórias do tempo em que ela trabalhou na instituição.

Rezende, por sua vez, decidiu entrar com um processo contra Letícia ao ser notificado formalmente pelo Tribunal de Justiça do Paraná sobre a ação movida por ela. Ele afirma que a influenciadora quebrou o contrato pactuado entre as duas partes, e que gravava constantemente vídeos com terceiros sem o consentimento prévio da ADR, e pleiteia que ela tenha que pagar uma multa por ter forçado a rescisão contratual entre as partes. O youtuber londrinense, porém, já sofreu a sua primeira derrota: o TJPR negou que o processo corra em segredo de Justiça.

A reportagem do TV Pop teve acesso aos autos das ações protocoladas por ambos os youtubers, que foram divulgadas primeiramente pelo perfil Mohamed Valadares. Nelas, eles trocam acusações mútuas e tentam transformar o tribunal em uma espécie de Casos de Família, alegando que o responsável pela quebra de contrato foi a outra parte. Na ação protocolada por Letícia, por exemplo, ela pede gratuidade de Justiça por não ter dinheiro para arcar com as custas processuais, e acabou sendo rebatida pela ADR, que anexou a suposta compra de um carro em seu nome e fotos e vídeos de viagens feitas por ela em cidades turísticas, como Cabo Frio e Arraial do Cabo, além de uma mudança recente para São Paulo.

Já no processo movido pela empresa de Rezende, Letícia tentou aplicar o popular “tapetão”. Em termos jurídicos, a morena pediu a reconvenção da ação, ou seja, decidiu tentar fazer com que a Justiça considere que a autora do processo é quem deve ser julgada, e não ela. Ela também exige que a ADR seja obrigada a prestar contas dos valores recebidos por duas outras empresas, e exige ser indenizada em R$ 500 mil pela quebra de contrato unilateral.

Por enquanto, ambos os processos seguem correndo em suas respectivas varas. A dupla de youtubers terá o primeiro encontro na esfera judicial no próximo dia 4, às 13h30, para tentar um acordo de conciliação — e a presença de ambos será obrigatória na audiência, que acontecerá de maneira virtual por conta da pandemia do coronavírus.

Leia mais