“O gordo não beija, não transa, sobretudo o preto gordo”, diz Paulo Vieira

Paulo Vieira e Marcelo Tas (foto: TV Cultura/Julia Rugai)
Paulo Vieira e Marcelo Tas (foto: TV Cultura/Julia Rugai)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em entrevista ao programa Provoca da próxima terça-feira (13), o ator e humorista Paulo Vieira fala com Marcelo Tas, entre outros assuntos, sobre as dificuldades da pobreza e resistência da família, sobre sua vontade de ser artista desde criança, a síndrome do pânico e ansiedade da mãe e como é ser preto e gordo. A edição inédita vai ao ar a partir das 22h, na TV Cultura.

Tas pergunta ao humorista da dificuldade do pobre em entrar na vida artística, da resistência da família. “Eu acho que escolher é um privilégio (…) que, às vezes, o pobre não pode se dar. Principalmente quando você vem de uma realidade onde precisa sobreviver, garantir a sua e dos seus, resolver ser artista é uma decisão quase egoísta. Imagina que meu pai estava contando comigo para o futuro da família. Como é que eu falo que eu vou ser artista? É como… jogou todas as fichas dele no lixo”, explica.

Paulo Vieira fala também que lembra que desde os cinco anos chorava porque não estava na televisão. “Eu me lembro de ver um show que tinha a Angélica ou Tony Garrido com algumas crianças e chorar, sofrer e pensar: mais um ano que eu não estou na televisão. Todo programa Criança Esperança para mim era um sofrimento (…) então eu sempre soube que queria ser artista”, diz.

O humorista conta também no #Provoca sobre o show da ansiedade com a sua mãe. “Eu queria ser ator sério porque eu pensava que a comédia era inferior. E quando a gente se mudou para o Tocantins, minha mãe tinha síndrome do pânico e a gente não tinha condições de pagar os remédios”. Segundo Paulo, a médica disse para a mãe que ela precisava tomar os remédios, mas a única coisa que ela podia aconselhar (o pânico vem antes da ansiedade), era que quando a mãe começasse a ficar ansiosa, para tentar pensar em outra coisa, se distrair. “E eu peguei essa missão para mim, de distrair a minha mãe. Quando ela começava a ficar ansiosa, eu imediatamente colocava um pano na cabeça, imitava minha vizinha, propunha brincadeiras (…) esse episódio com a minha mãe fez com que eu olhasse para a comédia com outros olhos, porque minha mãe foi parando de ter as crises de pânico e nunca mais teve. A comédia cura”, comenta.

Sobre ser preto e gordo, ele explica. “Eu tô na Globo, mas, por exemplo, não tô fazendo a novela das 9. Estou em num lugar que eu posso estar, né. Quando a pessoa escreve assim: Claudio entra e beija a sua esposa, automaticamente o Claudio não é gordo porque ele tem uma esposa. A gente passou por um processo que o gordo é assexualizado imediatamente. O gordo não beija, não trepa, não transa, sobretudo o preto gordo”, desabafa.

Leia mais