Carmo Dalla Vecchia comenta fala sobre aceitação no Super Dança dos Famosos

Carmo Dalla Vecchia e Bruna Santos foram eliminados; ator falou sobre discurso de aceitação no reality de dança (foto: Globo/Divulgação)
Carmo Dalla Vecchia e Bruna Santos foram eliminados; ator falou sobre discurso de aceitação no reality de dança (foto: Globo/Divulgação)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Após se assumir gay no Super Dança dos Famosos, Carmo Dalla Vecchia comentou sobre o discurso sobre aceitação e sexualidade que fez no palco do reality apresentado por Tiago Leifert ao se declarar para o filho e para o marido, João Emanuel Carneiro, autor de novelas de sucesso como Avenida Brasil e A Favorita.

“Pelo fato de já ter conseguido fazer com esses dois joelhinhos aqui, estou muito satisfeito. Primeiro por ter conseguido fazer e por não ter errado absolutamente nada. O que talvez tenha sido considerado pelo júri é que a mão foi um pouquinho antes na hora da pegada. Isso tá certo eles julgarem. Deixa para eles julgarem. Eu estou bem feliz com o que eu fiz, mas eu tô bem feliz mesmo”, disse o galã ao Gshow.

No dominical, Carmo Della Vecchia fez um discurso sobre a importância de se aceitar do jeito que é, e sobre a representatividade de falar sobre a sexualidade abertamente para ajudar outras pessoas. “Eu fiz um discurso que eu acho que era uma coisa que eu já queria fazer há muito tempo, mas precisou de um período de amadurecimento meu. Achei que foi a hora certa”, comentou.

“O que talvez eu tenha tentado fazer no palco foi falar de uma realidade que consiga de uma maneira, mostrando um cara como eu, um cara que é superfeliz, um cara que tem uma profissão, um cara que é extremamente privilegiado na vida, falando de uma característica dele que não sei nem se tem tanta importância assim, mas que acho que nesse momento tem importância para as pessoas questionarem as suas ideias”, disse o ator de 50 anos.

“Eu acho que a função de todo artista é essa. Não consigo enxergar um artista como se não tivesse uma missão no seu trabalho. Se você não tem a vontade, o desejo, de tocar o coração do outro para causar mudanças lá dentro, para que ele seja melhor e para que eu tenha a chance de ser melhor também, então é melhor escolher outra profissão. Eu acho que cada um de nós escolhe uma luta, talvez a minha seja essa”, finalizou Carmo Dalla Vecchia.

 

Leia mais