Equipe da Globo é agredida por familiares de vítimas de acidente

Equipe da EPTV, afiliada da Globo, foi agredida durante produção de reportagem (foto: Reprodução/EPTV)
Equipe da EPTV, afiliada da Globo, foi agredida durante produção de reportagem (foto: Reprodução/EPTV)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Uma equipe da EPTV, afiliada da Globo, foi agredida com socos e chutes na última quarta-feira (21) enquanto trabalhava na produção de uma reportagem na Rodovia Santos Dumont, em Indaiatuba, no interior de São Paulo. O repórter Pedro Torres, o repórter cinematográfico Alexandre de Jesus, e o auxiliar Luís Gustavo foram xingados e ameaçados por familiares das vítimas de um acidente. A câmera da emissora foi danificada.

Os profissionais da Globo trabalhavam na apuração de um acidente envolvendo um casal de idosos que foi atropelado ao tentar atravessar a pista marginal da rodovia na noite de quarta-feira para ver o corpo da sobrinha, morta em acidente de trânsito horas antes. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, eles acabaram atingidos por uma moto. A mulher morreu no hospital.

No momento em que a equipe da EPTV trabalhava na apuração do acidente, familiares das vítimas que morreram se aproximaram, xingaram e ameaçaram os jornalistas. Os funcionários da Globo local ainda chegaram a ser agredidos com socos e chutes. Um boletim de ocorrência por lesão corporal foi registrado pela emissora na delegacia de Indaiatuba (SP).

Equipe do SBT agredida durante gravação

Uma equipe do programa Vem Pra Cá, do SBT, foi agredida durante a produção de uma reportagem sobre a grávida de Taubaté no início do mês. A atração comandada por Patricia Abravanel tentou promover o reencontro de Chris Flores com a pedagoga Maria Verônica Aparecida Santos, que ficou conhecida em 2012 como a falsa grávida. No entanto, um homem acabou agredindo os funcionários do canal durante a gravação.

Ao chegar na casa da mulher, os profissionais do SBT foram surpreendidos por um homem que bateu na câmera e machucou a mão da repórter Ariany Rollim. Um dos dedos da jornalista sangrou e a equipe desistiu de tentar entrevistar Maria Verônica. Chris Flores, que estava no palco do Vem Pra Cá, acredita que o agressor é o marido dela. Ele entrou na casa momentos depois.

“Talvez, para ela, já esteja superado, mas o marido pode não ter superado ainda. Devem perguntar como ele não descobriu que a gravidez era falsa, devem acusá-lo de ser cúmplice. Deve ser difícil. A pessoa fica prisioneira da própria mentira”, disse Chris. Na época do caso, a apresentadora do Fofocalizando trabalhava no programa Hoje em Dia, da Record. Ela conta que desconfiou que o volume da barriga fosse um enchimento e disse para Maria Verônica que não acreditava nela. Alguns dias depois, uma reportagem mostrou a farsa.

Após ser desmascarada, Maria Verônica teve de doar todos os presentes que tinha ganhado para entidades assistenciais. O ultrassom que costumava apresentar era uma cópia de outro exame encontrado na internet. Ela teria inventado a mentira para chamar atenção da família que se afastou dela depois de seu casamento. Ela foi denunciada por suposto crime de estelionato, mas não foi punida pela Justiça. Em 2014, a 3ª Vara Criminal de Taubaté extinguiu o processo que ela e o marido, Kleber Vieira, respondiam.

 

Leia mais