Repórter da Globo é vítima de falsidade ideológica no WhatsApp

Rafael Ihara, repórter da Globo, alertou sobre golpe de falsidade ideológica usando seu nome (foto: Reprodução/Instagram)
Rafael Ihara, repórter da Globo, alertou sobre golpe de falsidade ideológica usando seu nome (foto: Reprodução/Instagram)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Repórter do jornalismo da Globo em São Paulo, o jornalista Rafael Ihara é a mais nova vítima do golpe do WhatsApp. Na noite de sexta-feira (22), o profissional alertou os amigos e seguidores nas redes sociais de que seu nome estava sendo usado por criminosos para pedir dinheiro para contatos. “Chegou a vez de usarem minha foto para aplicar golpe. Mandaram para o meu pai. Atenção: não sou eu pedindo dinheiro”, avisou Ihara na ferramenta Stories do Instagram.

Na mensagem enviada por um número de São Paulo, o golpista pede ajuda ao pai do jornalista para realizar um pagamento. Sabendo que se tratava de uma tentativa de golpe, o pai do repórter da Globo pede os dados para a transferência bancária. “Quando conseguir me avise”, pediu o criminoso. “Sim, meu pai logo percebeu que era golpe e foi dando corda só para ver até onde canalha iria”, contou Rafael Ihara.

O WhatsApp é um dos métodos preferidos dos brasileiros de trocar mensagens atualmente. Por ser a rede social mais usada para troca de informações, o aplicativo é amplamente usado para golpes. Antes do golpe do contato pedindo dinheiro, o mais comum era contatar o próprio usuário e conseguir o código de segurança, tirando o acesso do celular da vítima e ficando com os contatos. Dessa forma, a pessoa sabia que estava sendo vítima de invasão e podia avisar seus contatos. No entanto, a nova ação apenas usa a foto da vítima para tentar enganar as pessoas ao pedir ajuda com dinheiro.

“Situações atípicas e mensagens alarmantes de pessoas conhecidas, geralmente acompanhadas por desculpas como ‘troquei de celular’ ou ‘atingi o limite de transações diárias’, são artifícios utilizados por fraudadores para extorquir as vítimas. Assim como em outros golpes de engenharia social, os fraudadores vão usar as informações que eles têm disponível para tentar te convencer a qualquer custo. Caso você receba alguma mensagem suspeita pedindo depósitos em dinheiro, desconfie mesmo que seja de uma pessoa próxima. Entre em contato com a pessoa que está pedindo dinheiro por telefone (ligação). Além de confirmar a autenticidade da mensagem, você ainda alerta a pessoa sobre o golpe”, explica Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, ao site Mundo Conectado.

Leia mais