Produção nacional da HBO investe em erotismo para conquistar público

Hard é uma das principais produções nacionais da HBO (foto: Divulgação)
Hard é uma das principais produções nacionais da HBO (foto: Divulgação)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Uma das produções nacionais da HBO, Hard, estrelada por Natália Lage, está de volta com episódios inéditos para sua última temporada. Baseada numa série francesa de mesmo nome, o enredo acompanha a vida de Sofia, uma mulher bela, recatada e do lar que sequer sabia o que seu marido fazia. Após a morte dele, ela descobre e herda uma produtora pornô, fonte de renda que bancava todos os luxos dela, e é obrigada a manter o negócio após o marido ter hipotecado a casa.

A HBO Brasil já trabalhou em outros temas com uma pegada parecida antes: Magnifica 70 contou a história da Boca do Lixo e o pornochanchada no período da Ditadura Militar, e O Negócio mostrou garotas de programa usando técnicas de marketing na “profissão mais antiga do mundo”. Hard utiliza a comédia para mostrar a atual fase da internet e seus desdobramentos como plano de fundo para a história da Sofia.

Se baseando numa série de 2008, várias coisas parecem um pouco deslocada, mesmo o roteiro tentando dar uma atualizada. A renda principal da produção são as lives, mas ainda continuam gravando vídeos com animais. Mas, diferente das outras duas que citei acima, esta é uma série de comédia, então não pensem que vão se aprofundar na discussão sobre os malefícios da pornografia ou até das pessoas sendo torturadas para satisfazerem o desejo de quem está do outro lado da tela. Sabemos que a Sofix é uma empresa privada e que trata todos do seu elenco de forma decente (alguns até gostam de serem chicoteados).

Tirando toda a polêmica que o tema possa trazer, é uma série que traz risadas fáceis, desde a protagonista descobrindo que no que vai ter que trabalhar sem ter nenhum conhecimento do que fazem ou ter prazer, além dos trocadilhos nos nomes dos filmes adultos, como Jorrada nas Estrelas ou Hasta La Pica, Baby.

Agora na última temporada, quando nossa heroína do pornô finalmente tem coragem de revelar seu namoro com Marcello Mastroduro aos seus familiares e consegue uma maneira de fazer a empresa voltar a lucrar (num ponto em que ela quase se transformou numa cafetina), ela recebe uma proposta de venda irrecusável. Isto é o que ela queria desde a primeira temporada, mas agora passa a se questionar se realmente vale a pena vender ou se prefere continuar de cabeça naquele universo em que ela aprendeu a amar.

Mateus Ribeiro é engenheiro por formação, e nas horas vagas se diverte maratonando séries e assistindo programas de origem duvidosa da televisão brasileira. No TV Pop, escreve semanalmente sobre as séries produzidas pela indústria norte-americana. Converse com ele pelo Twitter @omateusribeiro. Leia aqui o histórico do colunista no site.

Leia mais