NOVELA DE MANOEL CARLOS

Páginas da Vida ganha primeira reprise na televisão no canal Viva

Imagem com foto das atrizes Joana Mocarzel (à esq.) e Regina Duarte em cena da novela Páginas da Vida
As atrizes Joana Mocarzel e Regina Duarte em cena da novela Páginas da Vida (foto: Globo/ Willian Andrade)

O Viva estreia nesta segunda-feira (22), a partir das 23h, a novela Páginas da Vida. Escrita por Manoel Carlos, o folhetim ganha sua primeira reprise na televisão desde a estreia na Globo, em 2006. A trama conta com nomes de peso no elenco como Regina Duarte, Fernanda Vasconcellos, Lília Cabral, Marcos Caruso, Tarcísio Meira, Ana Paula Arósio, Marcos Paulo, Thiago Lacerda e Helena Ranaldi. A produção tem direção-geral de Jayme Monjardim e Fabrício Mamberti.

“As tramas do Manoel Carlos são sempre muito pedidas pela nossa audiência. Páginas da Vida tem uma série de personagens emblemáticos, que temos certeza que o público vai adorar rever”, comenta Stephanie Purwin, gerente de Programação do Viva e do GNT.

Na novela, que teve seu início gravado em Amsterdã, na Holanda, Nanda engravida do namorado, Léo (Thiago Rodrigues). Ele não aceita a gravidez, e ela, sem muita escolha, volta ao Brasil. A vida de Nanda se cruza com a de Helena, quando Nanda é atropelada. Ela não sobrevive, mas dá à luz aos bebês Clara e Francisco. Com síndrome de Down, Clara é rejeitada pela avó, Marta. Helena se afeiçoa à menina e decide adotá-la.

Através da história de Clara, Manoel Carlos trouxe a pauta de inclusão de pessoas com síndrome de Down. Ao adotá-la, Helena também enfrenta inúmeras situações discriminatórias, especialmente quando vai matricular a filha em uma escola. O autor foi homenageado com a medalha Pedro Ernesto pela abordagem do tema. A atriz Joana Mocarzel ainda inspirou a criação da primeira boneca feita no Brasil com características de síndrome de Down.

Manoel Carlos ainda falou de questões como bulimia, com a Giselle (Pérola Faria), que sofria com a obsessão da mãe por dietas; alcoolismo, com o personagem de Bira (Eduardo Lago); discriminação racial, mostrando o preconceito de Gabi (Carolina Oliveira) em relação a Selma (Elisa Lucinda), segunda mulher de seu pai; e a AIDS, com Gabriel (Miguel Lunardi), que se recusa a aceitar a doença, mas, ao ser medicado corretamente, percebe que pode ter uma vida plena e feliz.

Leia mais