Diretor da Globo explica como são escolhidas as reprises de novelas

Amauri Soares detalha como as reprises de novelas são escolhidas pela Globo (foto: Globo/Roberto Steinberger)
Amauri Soares detalha como as reprises de novelas são escolhidas pela Globo (foto: Globo/Roberto Steinberger)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Amauri Soares, diretor do Canal TV Globo, revelou em entrevista ao site Notícias da TV, do UOL, como são escolhidas as reprises de novelas que são exibidas no bloco Vale a Pena Ver de Novo. O processo mobiliza diversos setores da emissora e leva em consideração critérios como o ano de exibição da obra, adequação da história ao horário e a forma como a história do folhetim envelheceu.

Ao jornalista Piero Virgílio, Amauri definiu o planejamento das reprises como um processo “muito bem estruturado”, que envolve até mesmo a análises das novelas exibidas e planejadas para o horário nobre da programação.

“Olhamos o conjunto porque é importante ter a visão do painel de histórias que vamos contar ao longo de um ano, por exemplo. Então, levamos em conta também as sinopses das novelas inéditas para escolher a obra do Vale a Pena. Queremos sempre oferecer um leque de histórias diferentes, com temas variados, para enriquecer a experiência do público”, detalha Soares.

Ele conta que o setor de Conteúdo da TV Globo é que seleciona as novelas a serem reapresentadas. Depois, os títulos são apresentados para as outras áreas como Programação, Marketing e Inteligência. A decisão é tomada em conjunto.

O planejamento das reprises é feito com três anos de antecedência e passa por atualização a cada 12 meses. Antes da reestreia de Ti-ti-ti (2010), em 29 de março, que irá substituir Laços de Família (2000), a Globo já tem definidas as duas novelas que irão ao ar na sequência da trama de Maria Adelaide Amaral.

“As outras duas novelas que estavam no páreo com Ti-ti-ti também foram consideradas adequadas para o horário do Vale a Pena e com histórias relevantes, engajadoras. Por isso, elas não foram descartadas. Decidimos programar as três. Uma na sequência da outra. Não vou contar aqui quais são para não estragar a surpresa”, despista o diretor.

Um fator determinante para a escolha de uma novela, segundo Soares, é saber como a história da trama envelheceu. O diretor enfatiza que a Globo está atenta às novas percepções do telespectador: “É importante lembrar que tanto o país como a sociedade mudam em um período de cinco, oito ou dez anos. E estas transformações fazem com que o telespectador veja a história cada vez de um jeito diferente. Nosso papel é estar em sintonia com o público de hoje e saber avaliar se uma obra ainda é relevante, se ainda é engajadora”.

Leia mais