Renata Lo Prete se revolta e reclama do horário do Jornal da Globo

Renata Lo Prete reclamou do horário tardio do Jornal da Globo (foto: Reprodução/TV Globo)
Renata Lo Prete reclamou do horário tardio do Jornal da Globo (foto: Reprodução/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Parece que a paciência de Renata Lo Prete com os constantes atrasos no horário de início do Jornal da Globo por conta do Big Brother Brasil finalmente chegou ao fim. Nesta terça-feira (9), o noticioso começou à 1h27 da manhã e chegou ao fim às 2h10 — ou seja, o intervalo entre ele e o Hora 1, que abre a programação diária, será de menos de duas horas. Em uma rede social, a âncora decidiu debochar do horário tardio do telejornal comandado por ela: “hoje demorou, mas o Jornal da Globo está chegando”, ironizou. No encerramento da edição, ela sequer deu boa noite ao público que assistiu ao telejornal e se limitou a desejar um “bom descanso”.

O noticiário está sendo veiculado cada vez mais tarde desde 25 de janeiro, dia em que a temporada do BBB estreou. Desde então, os bons índices do reality fizeram com que o setor de programação prolongue a duração do programa quando ele já está no ar, no intuito de empurrar as atrações seguintes — que obviamente tem resultados inferiores, já que o número de televisores ligados despenca depois das 23h — para o late night.

O movimento impacta diretamente no Jornal da Globo, que tem tido cerca de uma hora de arte (excluindo intervalos comerciais) para conseguir abordar todos os temas do dia, e no Corujão, que é retalhado para que o Hora 1 entre no ar religiosamente às 4h. Não é raro que a emissora troque os filmes da sessão de última hora e os edite praticamente ao vivo, deixando parte dos longa-metragens sem sentido algum para o público.

A insatisfação pública de Renata Lo Prete tem motivo: ela chega na empresa por volta das 16h para gravar o podcast O Assunto, veiculado nas plataformas digitais da rede na manhã do dia seguinte. Ela também é editora do Jornal da Globo e participa das reuniões de pauta do telejornal e, como apresentadora, logicamente só volta para a sua casa depois do término da edição diária. Nesta terça, a jornalista passou mais de onze horas trabalhando, uma quantidade alta para um profissional de vídeo.

Lo Prete não é a primeira, e provavelmente não será a última, a reclamar da operação empurra em época de realities. Lilian Witte Fibe, titular entre 1998 e 2000, se demitiu da emissora por fax e fez queixas públicas sobre a baixa qualidade de vida que o telejornal a proporcionava. A sua sucessora, Ana Paula Padrão, preferiu ir para o SBT do que continuar encarando as madrugadas, alegando que sequer tinha tempo para se encontrar com seu marido.

William Waack, conhecido por suas olheiras, encerrou o Jornal da Globo várias vezes desejando “bom dia” e chegou a fazer companhia para Monalisa Perrone em uma edição do Hora 1 que quase foi colada com o telejornal de fim de noite. Diferentemente de seus antecessores, ele não saiu da emissora por conta de insatisfação com o horário: ele foi demitido pela repercussão de uma fala racista vazada na internet durante a cobertura das eleições americanas.

Veja o tweet em que Renata Lo Prete se queixou do horário do telejornal:

Nota da Redação: a reportagem foi atualizada às 2h15, depois do término do Jornal da Globo, para incluir a declaração de Renata Lo Prete no final da edição de terça-feira, assim como a atualização do horário de encerramento do noticiário.

Leia mais