Mais frio que uma geladeira, Vem Pra Cá não rende e estreia em terceiro

Patricia Abravanel na estreia do Vem Pra Cá: programa sofreu com a Cultura em pleno primeiro dia (foto: Reprodução/SBT)
Patricia Abravanel na estreia do Vem Pra Cá: programa sofreu com a Cultura em pleno primeiro dia (foto: Reprodução/SBT)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Nem mesmo o efeito curiosidade conseguiu salvar o Vem Pra Cá de um desastre na audiência da Grande São Paulo. A nova revista eletrônica do SBT marcou apenas 3,4 de média na região e foi assistida por 698 mil pessoas, uma leve queda em relação aos 4,2 obtidos pela rede nas quatro segundas anteriores, com um telejornal e um programa infantil. Além disso, o programa de Patricia Abravanel e Gabriel Cartolano já estreou com menos público do que o Primeiro Impacto: o telejornal policial, que começa às 6 da manhã, teve média de 3,5 pontos.

O desempenho da nova atração colocou a emissora de Silvio Santos em um longínquo terceiro lugar, bem aquém da tão sonhada disputa da vice-liderança com a Record. Entre 9h30 e 11h, a Globo foi líder com 8,0 pontos, exibindo o Mais Você e os primeiros minutos do Encontro. A Record, com o Fala Brasil e o Hoje em Dia, ficou em segundo e marcou 5,3 de média. Em quarto lugar, o 1,9 dos desenhos animados da Cultura, que chegaram a ficar apenas 0,6 ponto atrás do Vem Pra Cá às 10h35.

Muito além da audiência ruim, o programa estreou com um conteúdo abaixo das expectativas até dos que eram mais pessimistas quanto ao formato. Mais fria que uma geladeira, a revista eletrônica exibiu uma reportagem de 2019 da TV Jangadeiro, afiliada do SBT no Ceará, como se fosse um conteúdo relevante e atual, sendo que a desconexão com a realidade era tamanha que os envolvidos na reportagem sequer usavam máscaras. Afinal, ninguém nem sonhava naquele ano que estaríamos enfrentando uma pandemia.

Não foi a única reportagem fedendo a mofo e travestida como novidade: longos minutos do programa foram ocupados por um debate sobre a chamada Geração Digital, cujos filhos tem QI inferior ao de seus pais. Até poderia ser algo interessante, mas a origem do tema era um estudo publicado pela BBC em… outubro de 2020. Para um programa que deveria ser pautado pela atualidade, é no mínimo complicado já estrear com coisas tão antigas.

Ponto forte do Hoje em Dia, o bloco de notícias do Vem Pra Cá foi constrangedor. Com pouco mais que dois minutos no ar, a equipe da atração considerou que “os fatos mais importantes do dia” eram a chegada de novas doses da vacina de Covid-19 ao país (que na verdade era uma notícia de ontem), o início do outono, a curiosidade de que hoje é o Dia da Água e o aumento no número de downloads de aplicativos sobre saúde.

Um dos poucos pontos positivos do programa foi o desempenho de Patricia Abravanel. A filha de Silvio Santos, que pediu para ser a apresentadora da atração, não fez feio e mostrou ter preparo para segurar um formato ao vivo e com improviso: foi uma boa surpresa. Ela, no entanto, claramente não gosta de dividir holofotes com os colegas. Gabriel Cartolano, também foi anunciado como apresentador, se tornou uma constrangedora versão humana do Louro José.

Boa parte dos problemas vistos na estreia do Vem Pra Cá podem ser resolvidos e, a primeira vista, tratam-se apenas do reflexo de um diretor acostumado com formatos pré-prontos. Mas, como estamos falando do SBT, resta saber se Silvio Santos terá paciência ou se simplesmente decidirá voltar com as notícias sanguinolentas de Dudu Camargo e Marcão do Povo quando todo mundo menos esperar.

Na Grande São Paulo, cada ponto de audiência representa a sintonia de 76.555 domicílios e 205.377 pessoas na respectiva emissora. O TV Pop divulgará o resultado consolidado da estreia do Vem Pra Cá, assim como o índice dos principais programas da televisão brasileira, na manhã de terça-feira (23).

Leia mais