Britney Spears e o seu grande papel de mártir do pop

Nem o Fantástico resistiu: o Show da Vida produziu uma reportagem sobre a trajetória de Britney Spears (foto: Reprodução/TV Globo)
Nem o Fantástico resistiu: o Show da Vida produziu uma reportagem sobre a trajetória de Britney Spears (foto: Reprodução/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Com uma carreira digna de inveja, Britney Spears dispensa apresentações, literalmente. A princesa do pop domina o imaginário pop há mais de duas décadas e continua sendo uma das maiores influências do mundo musical, mesmo sem o mesmo sucesso de anos atrás. Afinal, deter músicas em primeiro lugar em três décadas diferentes não é uma conquista fácil e muito menos uma marca insignificante.

A carreira de Britney é tudo, menos insignificante. Desde o trabalho musical e a imagem artística até os boatos e polêmicas que fomentam a indústria de fofocas, mesmo que custassem sua privacidade e saúde mental. Durante muitos anos, a princesa do pop foi o modelo de jovem americana a ser seguido, numa clara demonstração de como a indústria controla seus artistas.

Britney continua sendo um exemplo mesmo que não fosse virgem, bonita, loira e talentosa. A trajetória de mulheres na música tende a ser reduzida a uma imagem simplista e cabe à elas procurar uma forma de fugir do estereótipo e redefinir suas próprias imagens. Assim como Britney, diversos outros ícones se arriscaram e ousaram em nome de atender a seus instintos artísticos.

Ousadia essa que trouxe os holofotes da mídia, em seu modo mais perseguidor, tornando o conceito de reality show mais aceitável numa busca pela exposição alheia. Britney deixou de ser a “queridinha da América” para se tornar alvo de piadas, machismo e até, pasmem, gordofobia, quando fez sua performance de Gimme More no VMA 2007. Esse parece ter sido apenas o estopim para a situação que Britney enfrenta até os dias de hoje, com uma tutela encabeçada por seu pai, controlando suas finanças e decisões artísticas.

A tutela nunca foi uma pauta esquecida pelos fãs, mas recebeu maior atenção recentemente através do movimento #FreeBritney. uma mobilização pela liberdade da artista. Principalmente porque Britney se recusa a retomar seu trabalho artístico enquanto seu pai gerenciar seus negócios, o que acaba por influenciar a pressão dos fãs para que o caso tenha uma solução, tanto para a pessoa de Spears quanto sua persona artística. Tudo que os fãs querem é que sua diva tenha a oportunidade de trabalhar sem tantas amarras e seja apenas a que eles conhecem e os inspiram.

O documentário Framing Britney Spears, disponível no Globoplay, levanta um ponto importante: como uma artista jovem é capaz de trabalhar, se apresentar em turnês e programas de TV, gerar lucro com uma gama de negócios e ainda assim continua sob tutela de responsáveis sobre sua carreira?

A vida de Spears sempre foi pautada por expectativas machistas que, em menor ou maior grau, acabaram por tentar destruir tudo o que ela construiu. Essas expectativas a colocaram em caixas que ela não pediu para ser colocada, em que a pressão sobre a sua imagem só aumentou de forma constante, gerando cada vez mais interesse sobre sua figura ao invés de seu trabalho.

A lição que fica é de que nada impede uma mulher forte de buscar seus objetivos. Ela prefere arriscar tudo que possui até aqui do que continuar dando o braço a torcer para uma situação com a qual não concorda. Ela prefere que os fãs continuem sem ouvir novos projetos seus ou que sua fortuna aumente ainda mais fazendo aquilo que realmente ama do que ficar sob uma tutela que não faz qualquer sentido.

Esse risco de se tornar um mártir da indústria tem um peso gigantesco e influencia, novamente, novas estrelas a buscar formas de garantir a autonomia de seu trabalho. Esse é o exemplo que Britney merece ser. É por esse, e vários outros, que ela continuará sendo parte da realeza da música pop mundial.

Gabriel Bueno é publicitário de formação, atua no mercado desde 2013 nas áreas de criação, mídia e produção. Viciado em acompanhar música, sempre disposto a comentar premiações, álbuns, videoclipes e tudo que envolve o meio musical. É o autor da coluna Decifrando, publicada no TV Pop sempre nas quartas. Siga o colunista no Twitter: @GabrielGBueno_. Leia aqui o histórico do colunista no site.

Leia mais