Paulo Stein, narrador do primeiro carnaval e ex-Globo, morre aos 73 anos

Paulo Stein morre vítima da covid-19 (foto: Reprodução/SporTV)
Paulo Stein morre vítima da covid-19 (foto: Reprodução/SporTV)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O jornalista Paulo Stein, ex-narrador do SporTV, morreu neste sábado (27) aos 73 anos por complicações do novo coronavírus. Na última quarta-feira, Stein foi ao Hospital Rocha Maia, em Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro, onde foi diagnosticado com síndrome respiratória e transferido para o Hospital Estadual Anchieta, Zona Portuária do Rio. Ele deixa a mulher e uma filha.

Stein ficou conhecido por ser um dos principais narradores da extinta TV Manchete, onde permaneceu por 16 anos. Na Globo, chegou em 2011, onde permaneceu fazendo transmissões em São Paulo, mas acabou entrando na geladeira nos últimos meses de 2019 antes de ser demitido pela emissora do Grupo Globo.

Em fevereiro deste ano, o jornalista quebrou o silêncio em uma entrevista concedida ao canal Só Esportes na sexta-feira (18). Ele afirmou que foi desligado pela emissora por estar gordo e que foi preterido em diversas oportunidades ao decorrer de seus oito anos na empresa por não estar no peso considerado ideal pelos diretores da rede. “O próprio Bonner já admitiu que vive fazendo regime. No Jornalismo, você não tem repórter ou apresentador gordo”, afirmou.

Ele começou sua carreira em 1968, como repórter do Jornal dos Sports, e foi diretor de esportes da Band Rio entre 1977 e 1979, mesmo período em que fez suas primeiras transmissões televisivas. No ano seguinte, ele migrou para a Rede Manchete, onde fez história como o primeiro desfile das escolas de samba feito no Sambódromo do Rio de Janeiro. Com passagens por outros grandes veículos, como a Record e a ESPN Brasil, ele assinou contrato com a Globo para reforçar o time do SporTV e do Premiere há dez anos, em 2011.

“Você sonha em trabalhar na Globo? Muito jornalista sonha, empresa paga bem, você sonha? Na TV Globo, locutor e narrador não pode ser gordo, lá não pode. Você conhece algum? A razão pela qual eu fui demitido, ano passado, foi por causa disso. Se você não fizer um regime e se mantiver… Eu era um negócio fora de série ali porque eu tinha construído um nome, o antigo diretor era meu amigo, Mario Jorge Guimarães. Mas eu não fazia linha de frente justamente por isso. Mas não me importo com essas coisas, se for narrar cuspe em distância quero fazer da melhor maneira possível. Mas a história é essa aí, lá não pode [estar acima do peso]”, contou o narrador.

Ainda na entrevista ao Só Esportes, Paulo Stein afirmou que a Globo justificou a sua demissão como uma medida para reduzir os gastos do canal esportivo. Ele, porém, considera a explicação da emissora como uma falácia, já que pouco depois foram feitas novas contratações. “Fui chamado na direção e me disseram que estavam com dificuldade financeiras e que teriam que cortar gastos. Mas isso se mostrou uma mentira porque logo depois vários outros profissionais foram contratados. Fiquei chateado porque queria ajudar mais mesmo que não aparecesse muito, queria passar o que sabia para quem estava começando, mas não aconteceu”, lamentou.

Leia mais