Jornalistas da Record são agredidos durante produção de reportagem

Equipe da Record é agredida ao chegar em restaurante para cobrir confusão (foto: Divulgação/NDTV)
Equipe da Record é agredida ao chegar em restaurante para cobrir confusão (foto: Divulgação/NDTV)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Uma equipe de jornalistas da NDTV, afiliada da Record em Santa Catarina, foi agredida durante a produção de uma reportagem na noite deste sábado (15) em Joinville, no norte do estado. O repórter Ronaldo Daros e o cinegrafista Ricardo Alves foram atacados no momento em que pararam em uma choperia da cidade para registrar uma briga generalizada. De acordo com uma testemunha, que não quis se identificar, a briga começou dentro do restaurante. Um segurança, então, retirou os envolvidos para fora do local no momento em que a equipe da afiliada da Record parou e começou a filmar a situação.

Nesse momento, um dos agressores subiu em cima do carro da afiliada da Record, chutou o para-brisa e o teto do veículo, além de quebrar o vidro. Já o outro, abriu a porta e agrediu o repórter Ronaldo Daros. Ainda segundo a testemunha, o estabelecimento estava lotado no momento da confusão. “Estava ocorrendo uma briga e paramos para filmar. O momento que eu levantei o celular, ainda dentro do carro, eles vieram até mim dizendo ‘não filma, não filma’. Nisso, começaram a me bater. Levei soco na cara e no estômago”, relembra o repórter. Ele diz ainda que os agressores tentaram o retirar do carro, além de o ameaçarem de morte.

Segundo o cinegrafista Ricardo Alves, ele desceu do carro e tentou conter os agressores, porém, foi empurrado. Depois disso, a equipe conseguiu fugir do local. A Polícia Militar esteve no local e registrou um boletim de ocorrência das agressões. “Eu fiquei em estado de choque. O medo é tão grande que você nem percebe direito o que aconteceu na hora”, enfatiza Ronaldo.

A ACI (Associação Catarinense de Imprensa) e a Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) emitiram notas lamentando o ocorrido com a equipe da Record. Em comunicado, a diretoria da ACI afirmou que o ato “trata-se de mais uma tentativa de intimidar profissionais e cercear o trabalho da imprensa, fato que vem se repetindo com uma frequência inaceitável. Esperamos que a polícia aja com rigor, para identificar e punir exemplarmente os responsáveis”.

A Acaert lembra que “qualquer tentativa de constranger a imprensa em sua missão de informar a população configura atentado contra a liberdade de expressão e o direito fundamental do acesso à informação”. “Esperamos que as autoridades conduzam uma rigorosa investigação para identificar e punir os responsáveis pelos atos de violência e a tentativa de intimidação dos profissionais da comunicação, sob pena de serem coniventes com esse tipo de atitude”, finaliza a nota.

 

Nota da ACI

A diretoria da Associação Catarinense de Imprensa (ACI) tomou conhecimento, na manhã deste domingo, 16, da agressão a dois jornalistas da equipe da NDTV que registravam, no sábado à noite, uma briga generalizada entre clientes de um restaurante, no Centro de Joinville.

Ao perceber que estavam sendo filmados, alguns frequentadores se exaltaram e avançaram sobre o veículo da equipe, quebrando vidros e tentando forçar a saída dos jornalistas. O repórter da emissora foi agredido com socos no rosto e no estômago, além de sofrer ameaças de morte.

A ACI repudia a violência. Trata-se de mais uma tentativa de intimidar profissionais e cercear o trabalho da imprensa, fato que vem se repetindo com uma frequência inaceitável.

Esperamos que a polícia aja com rigor, para identificar e punir exemplarmente os responsáveis.

A Diretoria

 

Nota da Acaert 

A Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão – ACAERT vem a público manifestar o seu repúdio contra a agressão sofrida pela equipe de reportagem do Grupo ND de Joinville na noite deste sábado, 15 de maio de 2021.

O repórter Ronaldo Darós e o cinegrafista Ricardo Alves foram agredidos enquanto registravam uma briga em um bar, na região central da cidade. O carro de reportagem teve o para-brisa danificado pelos agressores, e um dos profissionais foi atingido com socos e sofreu ameaças de morte.

A ACAERT lembra que qualquer tentativa de constranger a imprensa em sua missão de informar a população configura atentado contra a liberdade de expressão e o direito fundamental do acesso à informação.

Esperamos que as autoridades conduzam uma rigorosa investigação para identificar e punir os responsáveis pelos atos de violência e a tentativa de intimidação dos profissionais da comunicação, sob pena de serem coniventes com esse tipo de atitude.

Leia mais