Fenômeno, marca de Nati Vozza fatura quase R$ 200 milhões em um ano

Nati Vozza faturou quase R$ 200 milhões em apenas um ano (foto: Reprodução)
Nati Vozza faturou quase R$ 200 milhões em apenas um ano (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Nati Vozza começou na internet em 2009 ao criar o blog Glam4You e já tinha o sonho de ter sua própria marca de roupas. Muitos anos depois e com o nome consolidado no mercado da moda, a criadora da NV transformou o projeto em um case de sucesso utilizando influenciadoras. Em 2020, a marca faturou a fortuna de 158 milhões de reais brutos. A empresária aproveitou o bom momento de sua empresa e aceitou uma proposta de 210 milhões reais do Grupo Soma que foi paga, em parte, em ações do grupo.

Em entrevista a Vogue, Nati Vozza contou como iniciou o marketing de influência da marca. “Costumava provar as roupas em casa e mostrar em vídeo para as pessoas. Via que funcionava muito mais do que apenas postar uma foto”, revelou.

Como nem tudo são flores no meio do empreendedorismo, a influenciadora revelou que passou por dificuldades. “No segundo ano da NV, enfrentamos nossa primeira dificuldade real de caixa. Já havíamos investido todas nossas reservas e estávamos com um grau de endividamento alto. Foi nesse momento que fizemos o nosso primeiro pitch ao mercado. Na época, o Antonio [Junqueira, seu ex-marido] teve uma reunião com uma plataforma que conectava investidores anjos com empreendedores”, lembrou.

“Foi a primeira vez que projetamos, tentamos enxergar como seria a marca nos próximos anos, criamos nosso primeiro business plan. Foram dois meses planilhando e desenvolvendo os números para atrair um investidor interessado, porém não conseguimos nenhum aporte e seguimos juntos eu e Antonio”, contou.

Nati Vozza relembrou o projeto de parceria com as influenciadoras, que foi o maior diferencial da marca no mercado da moda. “Não vendemos só roupa, vendemos desejo. Acredito que é crucial deixarmos todas as influenciadores muito à vontade. Não impomos peças pelos níveis de estoque, as deixando sempre livres para vestirem o que gostam e se identificam, criando desejo na marca. Antes de ganhar os seguidores, tentamos ganhar os influenciadores. Assim, com desejo, amor e liberdade nas entregas, os resultados aparecem e são cada vez mais orgânicos”, declarou.

Leia mais