Apresentadora que trocou Record por Band se demite depois de 60 dias

Depois de trocar a Record pela Band, Marina Maimone se demitiu após 60 dias na emissora (foto: Reprodução/Band)
Depois de trocar a Record pela Band, Marina Maimone se demitiu após 60 dias na emissora (foto: Reprodução/Band)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em uma movimentação de dar inveja aos tempos de indecisão de José Luiz Datena, Marina Maimone surpreendeu os executivos da Band ao pedir demissão nesta quinta-feira (24). A jornalista, que deixou a Record para aceitar a proposta da rival, estreou há apenas 60 dias na apresentação do Band Cidade de Uberlândia e também era editora-chefe do telejornal local, mas decidiu pedir as contas na emissora para aceitar uma proposta mais próxima de sua terra natal. Com isso, ela irá para seu sexto emprego em canais diferentes em um intervalo de apenas quatro anos.

“Minha despedida do Band Cidade foi breve mas, nem por isso, menos calorosa. A voz embargada já mostra o quanto esse momento significa pra mim. É um misto de alegria e aperto no coração em deixar essa equipe maravilhosa que compartilhou momentos incríveis comigo durante esse ciclo na Band Triângulo. Estou deixando Uberlândia pra assumir um novo desafio, mais perto de casa. Tenho muito orgulho de tudo que construí até aqui e das amizades que fiz nesse caminho. Já estou com saudades do cafezinho e do pão de queijo”, pontuou ela em suas redes sociais.

A despedida citada pela jornalista foi, de fato, breve. Ela se despediu de forma definitiva telespectadores da Band em apenas nove segundos, durante o encerramento da edição de quarta-feira do telejornal. “Eu vou ficando por aqui, obrigado pelo carinho da sua companhia, estou partindo para assumir novos desafios, e deixo aqui meu beijo todo carinhoso para vocês. Até a próxima”, disse a apresentadora, que voltará a mudar de estado.

A saga de mudanças de Marina Maimone pelo país começou em 2018, quando o seu desempenho na Record Belém chamou a atenção dos executivos da TV Anhanguera, afiliada da Globo em Tocantins. A emissora, que planejava reformular o seu telejornalismo, convidou a jornalista para ser âncora e editora-chefe da primeira edição do Jornal Anhanguera na capital tocantinense. Ela aceitou o posto e depois de oito meses, em maio de 2019, decidiu aceitar uma proposta da TV Jovem, parceira da Record em Palmas, para apresentar o Balanço Geral regional.

A passagem pela emissora também foi curta. Em março de 2020, afundada em uma série crise financeira, o canal de Vanderlei Luxemburgo decidiu demitir a jornalista, que tinha salário acima da média do mercado. Meses depois, ela se tornou apresentadora e repórter da TV Tropical, afiliada da Record no Rio Grande do Norte, de onde se demitiu após seis meses para se transferir para a Band Triângulo.

Por falar em Band, Marina Maimone acabou virando mais um número da estatística de alta rotatividade na bancada do Band Cidade de Uberlândia. Com ela, já são sete jornalistas que ocuparam a bancada do telejornal em apenas três anos. Apesar da emissora ser bem estruturada, o público da região não se acostuma com o telejornal noturno da rede, preferindo opções da TV Integração (Globo) e da TV Paranaíba (Record) na mesma faixa horária, e os âncoras costumam pagar o pato pelo insucesso do telejornal.

Leia mais