Globo monta estúdio com tecnologia de ponta para os Jogos Olímpicos de Tóquio

Estúdio da Globo no Rio de Janeiro para a transmissão dos Jogos de Tóquio (foto: Globo/João Cotta)
Estúdio da Globo no Rio de Janeiro para a transmissão dos Jogos de Tóquio (foto: Globo/João Cotta)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Impossibilitada de montar um estúdio em Tóquio por conta dos cuidados com a crise sanitária, a Globo e o SporTV trazem o clima de emoção e união dos povos para o Brasil com seu Estúdio Olímpico construído no Rio de Janeiro. “Tecnologia de ponta, soluções virtuais e imagens em tempo real farão o espectador ser transportado para a capital japonesa”, informa a emissora em comunicado sobre os detalhes do cenário especial.

Na próxima sexta-feira (23), a magia entra em cena com a cerimônia de abertura dos Jogos. A transmissão da TV aberta terá comando de Galvão Bueno, que estará ao lado do repórter Marcos Uchôa e de comentaristas que viveram de perto as emoções do maior evento esportivo do planeta: os ex-atletas Fabi, do vôlei, Flávio Canto, do judô, e Daiane dos Santos, da ginástica artística.

Montado nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro, em uma área de 400 m², o estúdio olímpico foi inspirado na arquitetura japonesa, que mistura tradição e modernidade. É uma evolução da “caixa mágica”, conceito criado para o estúdio da Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Três câmeras instaladas em Tóquio enviarão imagens ao vivo da sede dos Jogos para os quase 80 m² de telões de LED que compõem o cenário circular. Terá uma amplitude de 270 graus e será uma janela para Tóquio: quando for noite na capital japonesa, esta será a imagem que o telespectador verá, mesmo que no Brasil o sol ainda esteja brilhando.

Estúdio da Globo no Rio de Janeiro para a transmissão dos Jogos de Tóquio tem uma amplitude de 270 graus (foto: Globo/João Cotta)
Estúdio da Globo no Rio de Janeiro para a transmissão dos Jogos de Tóquio tem uma amplitude de 270 graus (foto: Globo/João Cotta)

“O estúdio será uma janela virtual para termos a sensação de estar em Tóquio. Os telões serão preenchidos por peças virtuais temáticas dos elementos característicos de cada esporte. Isso nos permite fazer uma ambientação diferente a cada dia. Podemos brincar com elementos de todas as modalidades olímpicas”, explica Gilberto Castanon, diretor de Tecnologia de Esporte e Eventos da Globo.

O estúdio olímpico terá operação 21 horas por dia, das 17h às 14h do dia seguinte. Será o coração da super cobertura olímpica da Globo, com mais de 200 horas de conteúdo, e do SporTV, com seus quatro canais. Na TV aberta, Alex Escobar e Felipe Andreoli se revezam no espaço para entradas ao vivo em programas e telejornais, do Hora 1 ao Jornal da Globo, passando por Bom Dia Brasil, Jornal Hoje, Jornal Nacional, e também no Fantástico, aos domingos. É também de lá que Andreoli apresenta a edição nacional do Globo Esporte, e Lucas Gutierrez comanda o Esporte Espetacular.

O estúdio conta ainda com três cabines, de onde narradores como Galvão Bueno, Luís Roberto e Cleber Machado, e o time de comentaristas olímpicos transmitem os eventos da TV Globo. No SporTV, o Ohayo Tóquio, comandado diariamente por Marcelo Barreto e Bernardinho, abre a jornada olímpica no SporTV, às 18h. Para o programa, o estúdio ganha identidade visual e mobiliário diferentes, com espaço para receber convidados.

“Claro que não vamos dizer que estamos em Tóquio, mas o estúdio dará essa sensação. A tecnologia permitiu, por exemplo, que aumentássemos nosso ângulo de visão. Na Copa do Mundo da Rússia, o estúdio montado na Praça Vermelha em Moscou tinha uma visão de 180 graus. Agora, será de 270. É um dos trunfos da nossa cobertura olímpica e nos dará a oportunidade de transmitir toda a emoção de um evento que já nasce histórico”, explica Joana Thimóteo, Diretora de Eventos do Esporte da Globo.

Leia mais