Band faz transmissão pirata e é flagrada pela geradora oficial da Olimpíada

Equipe da Band faz transmissão pirata dos jogos de tênis nos Jogos Olímpicos de Tóquio (foto: UOL/Demétrio Vecchioli)
Equipe da Band faz transmissão pirata dos jogos de tênis nos Jogos Olímpicos de Tóquio (foto: UOL/Demétrio Vecchioli)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Uma equipe do BandSports foi flagrada fazendo transmissão pirata dos Jogos Olímpicos de Tóquio na madrugada desta quarta-feira (28). De acordo com o jornalista Demétrio Vecchioli, do UOL, o canal não pagou pelos direitos de exibir os jogos da quadra 5 do centro de tênis, onde as brasileiras Laura Pigossi e Luisa Stefani buscavam uma vaga na semifinal contra uma dupla dos Estados Unidos. Sem as imagens oficiais, o canal de esportes da Band exibiu parte do duelo a partir de transmissão clandestina.

As empresas que fecharam acordo de transmissão dos jogos só podem usar as imagens oficiais, que são geradas pela OBS (Olympic Broadcasting Services). A empresa mantém um padrão de qualidade e gráficos e tem uma cobertura neutra, não favorecendo país ou atleta em particular. Nem a Band e nem a Globo pagaram o valor extra pelas imagens das quadras periféricas do tênis, que são gravadas por câmeras automáticas para outros detentores de direitos. As emissoras do Brasil não poderiam exibir o jogo.

No entanto, de acordo com o UOL, a Band mandou uma equipe com o jornalista Elia Júnior e um cinegrafista para o local. Eles usaram uma plataforma no fundo de uma das quadras para entrar ao vivo na programação do BandSports, na TV por assinatura. A transmissão ficou no ar por vários minutos. Assim que a informação de que a Band estava transmitindo o jogo de forma clandestina chegou à OBS, a empresa teria cobrado a emissora brasileira. “Não temos condição técnica de continuar aqui”, disse Elia Júnior, antes de o equipamento ser retirado às pressas da plataforma.

Leia mais