Promoção de Paulo Renato Soares causa ciúmes nos bastidores da Globo

Paulo Renato Soares substituirá William Bonner no Jornal Nacional (foto: Reprodução/TV Globo)
Paulo Renato Soares substituirá William Bonner no Jornal Nacional (foto: Reprodução/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Paulo Renato Soares ainda nem estreou na bancada do Jornal Nacional, mas a sua ascensão ao posto mais cobiçado do telejornalismo brasileiro tem provocado uma onda de ciúmes entre os profissionais da Globo. Nos corredores da emissora, não é raro escutar outros profissionais se perguntando sobre qual teria sido a razão para que um repórter tenha furado a fila de espera por uma vaga na cadeira de William Bonner. Para a maior parte dos jornalistas da líder de audiência, o posto de plantonista deveria ter sido preenchido por Chico Pinheiro, que já estava cotado para voltar ao rodízio de apresentadores do telejornal mais assistido do país mesmo antes da crise sanitária.

Nos bastidores, surgiram até mesmo teorias da conspiração para a promoção do repórter. Não foram poucos os que lembraram que o jornalista é irmão de Amauri Soares, ex-marido de Patricia Poeta e um dos homens mais fortes na estrutura organizacional da TV Globo na atualidade. Ele é responsável pela Central Globo de Programação e, antes de assumir o setor, teve passagem pelo telejornalismo da rede, atuando como editor-chefe do Jornal Nacional e na diretoria de Jornalismo em São Paulo, além de ter sido diretor-executivo da Globo Internacional.

A reportagem do TV Pop apurou que a ascensão de Paulo Renato Soares causou espanto até mesmo nos executivos da emissora. Para a maior parte deles, o repórter especial era um azarão, e a sua entrada na escala de apresentadores do telejornal mais conhecido do país era praticamente impossível. Ele, porém, tinha um diferencial que os seus rivais não conseguiram ter: o apoio de William Bonner. O titular do jornalístico foi o responsável por sugerir Soares e ficou satisfeito com o seu desempenho em breves testes realizados há alguma semanas.

Aos 51 anos, Paulo Renato nunca ancorou um telejornal de rede. Ele se tornou plantonista das duas edições do RJTV e do Brasil TV, transmitido para o público que assiste a Globo pela parabólica, há pouco mais de dois anos. Elogiado pelo bom desempenho nos noticiosos regionais, passou a chamar a atenção dos executivos da emissora. De azarão, o repórter especial passou a ser visto como uma aposta do canal: o ex-marido de Mônica Teixeira continuará ganhando espaço em outros programas e deverá ganhar um posto fixo nas mudanças planejadas para 2022.

Além do bom desempenho nos telejornais locais, Paulo Renato Soares também foi premiado devido ao seu extenso tempo na emissora. Ele é contratado da rede desde o início de sua trajetória como jornalista, há 28 anos, e iniciou a sua trajetória como estagiário da EPTV, afiliada da líder de audiência no interior de São Paulo. Em 1994, estreou em rede nacional como repórter da mesma parceira. O seu único “deslize” foi uma breve passagem pela TV Cultura entre 1997 e 1999, ano em que foi chamado para voltar ao time de funcionários da Globo.

Novos plantonistas

A Globo confirmou em 24 de agosto que a apresentadora Aline Midlej e o repórter Paulo Renato Soares passarão a fazer parte do time de apresentadores do Jornal Nacional. A dupla de jornalistas estreará no comando do principal telejornal da TV brasileira no dia 11 de setembro, no lugar de William Bonner e Renata Vasconcelos. A informação sobre a promoção da apresentadora do J10 e do repórter especial foi divulgada com exclusividade pelo TV Pop.

“Os jornalistas Aline Midlej e Paulo Renato Soares passam a integrar o rodízio dos finais de semana do Jornal Nacional, que, por conta das restrições de logística , está sendo feito apenas com jornalistas baseados no Rio de Janeiro. Eles se juntam a Ana Paula Araújo, Andre Trigueiro, Mariana Gross, Hélter Duarte, Flavio Fachel e Ana Luiza Guimarães”, afirmou a emissora em nota oficial.

Leia mais