Lizi Benites diz que “coisas horríveis” aconteciam nos bastidores do Pânico

Lizi Benites foi um dos principais nomes do Pânico na TV (foto: Reprodução)
Lizi Benites foi um dos principais nomes do Pânico na TV (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Lizi Benites ficou conhecida como a Piu-Piu, do Pânico na TV e contou ao podcast TicaracatiCast, comandado pelos humoristas Bola e Carioca, sobre o período em que ela era assistente de palco do humorístico. A modelo revelou que existia uma pessoa na equipe do programa que a tratava de maneira horrível. “Tinha uma pessoa que me falava coisas horríveis. Eu fiquei oito meses sem gravar e me convidaram para A Fazenda, da Record. Eu falei com o diretor do programa e ele me disse pra eu ir e que ele falaria com o Emílio [Surita] e que era para eu ir”, contou.

“O Emílio me ligou depois dizendo que não queria que eu saísse. Existia uma história de que a todo momento uma Panicat iria sair e a gente vivia com medo. Eu já tinha assinado o contrato. A pessoa me encontrava e me dizia coisas pornográficas. Ele me encontrava e dizia que queria me chupar. Se o Emílio tivesse falado comigo desde o começo, ele sempre foi querido comigo, muito atencioso, mas chegou um momento que a gente não tinha mais isso”, afirmou.

A ex-Panicat relembrou que recebeu uma ligação logo após se desligar do programa e foi humilhada pelo telefone. “Quando eu sai para A Fazenda, eu não podia falar nada por contrato, mas saiu na imprensa que eu pedi demissão, eu recebi uma ligação com uma pessoa me humilhando e afirmando que eu não pedi demissão, eu fui demitida”, relatou.

“Eu sabia que eu não iria mais crescer dentro do Pânico. Se eu cedesse, talvez, mas eu não iria ceder. Fazia parte do planejamento, mas não a pessoa me falar as coisas que falava. Eu não tinha voz para nada lá dentro, eu não podia falar que algo não era legal e que eu não iria fazer. Quando eu fui para a Record e me mandavam colocar um biquíni e beijar um cara na rua, eu tinha que fazer. Eu queria? Óbvio que não, eu achava aquilo horrível, mas era o que me sustentava”, contou.

Leia mais