Geraldo Luís surta no Balanço Geral e fala mal dos funcionários da Record

Geraldo Luís surtou com a equipe do Balanço Geral Manhã no meio do telejornal ao vivo (foto: Reprodução/Record)
Geraldo Luís surtou com a equipe do Balanço Geral Manhã no meio do telejornal ao vivo (foto: Reprodução/Record)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Geraldo Luís continua extremamente insatisfeito com a equipe do Balanço Geral Manhã. O jornalista faz duras críticas ao seus colegas de trabalho desde que voltou a comandar o jornalístico, há quase três meses, e decidiu reclamar dos funcionários da Record ao vivo de forma cada vez mais explícita. O apresentador revelou durante a edição de segunda-feira (30) que os repórteres escalados pelas afiliadas da rede estavam dormindo no horário em que deveriam estar no ar e se queixou da falta de estrutura dada para o jornalístico. “Eu vou ter um infarto aqui. A gente quer trabalhar, enquanto tem gente fazendo bichectomia”, pontuou ele.

A citação ao procedimento plástico nas bochechas é uma referência ao comandante Uan Hamilton, responsável por pilotar o helicóptero dos telejornais matinais da emissora na faixa matinal. De acordo com Geraldo Luís, ele não foi trabalhar porque teria decidido ir fazer uma harmonização facial, e que por isso o Balanço Geral Manhã estava com um piloto não tão experiente. “Hoje não estamos com o comandante Uan Hamilton. Hoje é o Vilhena. Uan Hamilton se ausentou porque foi fazer aquele negócio da bichectomia. Vocês acreditam nisso? O cara falta em uma segunda-feira dessas porque decidiu ir fazer harmonização facial”, desabafou o apresentador.

“Eu vou ter um infarto ao vivo aqui! Eu mereço isso? Rio Preto não entra, tem repórter que está dormindo nas praças. E a gente que quer trabalhar, porque a gente é assim, enquanto tem gente fazendo bichetomia. Vai dar na internet que o apresentador infartou. A gente quer trabalhar, temos um compromisso com a informação. A gente só volta pra esse tema quando nós tivermos apoio das praças. Sem o apoio das praças fica complicado isso aí”, concluiu Geraldo Luís, que chegou a interromper temporariamente a cobertura dos ataques criminosos em Araçatuba.

Orientado pela chefia do telejornal a retomar o tema, o âncora voltou a se irritar. Ele citou nominalmente Eduardo Nerath, que atua como editor-chefe do jornalístico, e se queixou abertamente da ausência de repórteres na afiliada da Record responsável por cobrir a cidade do interior de São Paulo. Revoltado, o apresentador disse que poderia ir fazer a cobertura por conta própria se a emissora pudesse disponibilizar um helicóptero para que ele fosse ao local. Com cara de poucos amigos, o jornalista encerrou o noticiário com um seco “até amanhã”.

Leia mais