Monica Iozzi revela que foi agredida durante um relacionamento abusivo

Monica Iozzi já enfrentou um relacionamento abusivo (foto: Reprodução)
Monica Iozzi já enfrentou um relacionamento abusivo (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Monica Iozzi revelou durante o podcast Prazer, Renata, do G1 que passou por um relacionamento abusivo em um de seus primeiros namoros na juventude e que foi agredida fisicamente. “Eu era muito jovenzinha, um relacionamento dos meus primeiros namoros. Cobria todos os capítulos da cartilha de um relacionamento abusivo. Da pessoa te afastar dos seus amigos, questionar a roupa que você usa, te agredir verbalmente, te chantagear, dizer que você não vai conseguir ninguém melhor do que ele e tentar te diminuir. A pessoa quer que você se sinta pior que você é pra você se sentir dependente dela”, afirmou a apresentadora e atriz.

“É um sequestro psicológico, eu me sentia sequestrada por aquela relação. Só fui começar a pensar em cair fora e pedir ajuda, quando fui agredida fisicamente. Até eu ser agredida, eu achava aquilo uma prova de amor. Ela me ama muito, ele me protege muito. Ele perdeu um pouco a cabeça. Eu só comecei a me ligar quando ele realmente sentou a mão na minha cara. Ali eu percebi que o buraco era mais embaixo, e eu acho que é isso que muitas mulheres sofrem, principalmente quando você é jovem, ou então quando você tem filhos com essa pessoa, ou então quando você tem uma dependência financeira”, prosseguiu a ex-Vídeo Show.

Monica Iozzi citou a importância de ensinar aos filhos sobre relacionamentos tóxicos. “A gente sofre assédio a vida inteira. Eu não conheço nenhuma mulher que nunca sofreu assédio. A gente só foi começar a falar sobre isso recentemente. Eu também fui descobrir mais de dois anos depois que eu tinha tido uma relação abusiva. Na época, ela não me parecia abusiva. Faz muitos anos isso, mas é muito importante a gente falar com as nossas meninas e com os nossos meninos porque não adianta você ensinar a menina a se colocar e se proteger e não ensinar para o menino que é errado assediar e agredir”, declarou.

Leia mais