NA CADEIA

Youtuber que operava serviço pirata de IPTV pode pegar 514 anos de prisão

Imagem do influenciador Omi in a Hellcat com carros de luxo ao fundo
Omi in a Hellcat é acusado de operar sistema ilegal de IPTV e pode pegar até 514 anos de prisão (foto: Reprodução)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O youtuber Bill Omar Carrasquillo, conhecido como Omi in a Hellcat, foi preso na última terça-feira (21), nos Estados Unidos, após ser acusado por pirataria na internet. O fundador do serviço de IPTV Gears Reloaded pode pegar pena de até 514 anos de prisão. O influenciador, que tem mais de 790 mil inscritos em seu canal na plataforma de vídeos, nega as acusações e diz que o serviço que funcionava dentro de uma “brecha na lei”.

“Acho que nunca fiz nada de errado. Obviamente, eu estava administrando os negócios de maneira aberta ao público”, destacou Omi em entrevista ao canal de televisão FOX29. Carrasquillo administrava um serviço ilegal que permitia que pessoas assistissem à programação de TV a cabo pela internet. O esquema fraudulento chegou a movimentar 30 milhões de dólares, segundo o processo.

“Disseram que tudo o que eu fiz foi criminoso. Eu apenas sinto que encontrei uma brecha, passei por ela e me saí muito bem. É uma área cinzenta da lei”, justificou o influenciador. Em 2019, Omar disse durante uma transmissão nas redes sociais que os seus bens foram confiscados pelo FBI, a polícia federal norte-americana.

“Eles tomaram todos os meus carros. Quando digo que eles levaram ‘tudo’ quero dizer que eles levaram cada cartão SD, cada câmera, cada televisão em minhas casas. Eles levaram todos os carros. Eles levaram todos os meus hellcats”, lamentou.

“Meu amigo teve de me emprestar um telefone porque não tenho mais um telefone. Eles confiscaram milhões de dólares de todas as minhas contas. Eles levaram todo o dinheiro que eu tinha em casa”, continuou Omi in a Hellcat. “Eles levaram todas as minhas joias, coisas das crianças, videogames, computadores, notebooks, telefones celulares. Eles não deixaram nem os drones.”

Leia mais