Participantes falam da última edição da Dança dos Famosos com Faustão

Paolla Oliveira e Leandro Azevedo estão na última edição da Dança dos Famosos com Faustão na apresentação (foto: Globo/Maurício Fidalgo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Após apresentar o elenco completo da Super Dança dos Famosos, o Domingão do Faustão faz a estreia da edição especial da competição no próximo domingo (16). No início da disputa, Claudia Ohana, Maria Joana e Mariana Santos se enfrentam ao som de dois ritmos, o rock e o forró, e apenas uma delas vai direto para a próxima fase do jogo, enquanto as outras encaram a repescagem. Às vésperas da estreia do quadro, os participantes contam as expectativas para esta edição extraordinária, que será a última com apresentação de Faustão, que está de mudança para a Band a partir de 2022 com um salário milionário.

Mariana Santos, finalista da edição de 2015, foi uma das primeiras a encarar a rotina de treinos para a estreia: “A primeira semana de ensaios está sendo surpreendente. Tenho um parceiro incrível de dança e sinto meu corpo mais preparado do que da outra vez”. Sobre a expectativa para a primeira dança, ela confessa: “Eu acho que chego mais confiante. Aliás, esse quadro me ajudou muito na minha autoconfiança porque coloca a gente em prontidão”.

Claudia Ohana também avalia o que significa voltar a participar do Dança, agora com uma nova dinâmica: “A diferença é que eu sei que todos são muito feras e a gente já começa com dois desafios, porque são duas danças. Acho que serei mais exigente comigo mesma e acredito que o público e os jurados também serão mais exigentes”.  Finalista em 2012, ela assume não pensar na final: “Estou pensando em ‘uma dança de cada vez’ e vamos ver o que acontece. Quero me divertir e aprender mais sobre a dança”.

Maria Joana, que levou a melhor na edição de 2017, também compartilha o que espera desta primeira apresentação no programa do Faustão: “Eu estou indo de coração, corpo e alma. Eu sei que pode parecer mais fácil por ser a segunda vez, mas não é. É bem desafiador, mas, ao mesmo tempo, é um território um pouco mais conhecido. Com certeza isso ajuda muito”. Sobre o convite para o ‘Super Dança’, ela conta: “O que vivi em 2017 foi mágico, poder viver mais uma vez essa emoção está sendo incrível”.

Enquanto espera para voltar a se apresentar no palco do Domingão, Paolla Oliveira, uma das primeiras confirmadas desta temporada, avalia qual será a sua maior dificuldade a partir de agora: ”Não se cobrar tanto é um exercício diário. Nós precisamos estar inteiros, ensaiados e felizes. Não devo me cobrar e, se a cobrança acontecer, vou procurar cuidar para que isso não tome conta e a diversão seja maior”. Ela também comenta sobre os ritmos da competição: “Eu acho que os ritmos que são novidades pra mim talvez sejam os mais difíceis”, garante a campeã de 2009.

Christiane Torloni, também uma das primeiras confirmadas deste ano, conta o que pensa deste Super Dança, que marca a despedida de Faustão da Globo: “Eu acho que o grande barato dessa edição é o reencontro, né? Acho que a gente está com tanta saudade dos parceiros, atores, músicos, que é ótimo que as pessoas que já passaram pelo Dança venham com essa animação de se reencontrar”. Christiane diz guardar com carinho as emoções de sua primeira passagem pelo quadro, em 2008: “A memória que eu tenho da minha temporada é de muita parceria”.

A vice-campeã da edição de 2019, Dandara Mariana, admite que aceitou na hora voltar a participar do jogo e revela não pensar na final: “Não crio expectativas. Mas é óbvio que darei o meu melhor para chegar de novo à final”. Ela completa: ”Adoro ser desafiada. Mas aceitei participar do quadro novamente para me divertir, aprender e aprimorar”.

Já Sophia Abrahão diz: “Acho que dessa vez o espírito de competição será deixado um pouco de lado. A intenção é dar o nosso melhor e fazer uma apresentação bonita”. Finalista em 2016, ela conta como foi receber o convite para a edição’: “Fui pega de surpresa, mas fiquei muito feliz. Não imaginava que teria a oportunidade de reviver esse momento tão marcante na minha vida”.

Viviane Araújo também sonhava em voltar ao quadro do Domingão do Faustão: “Ao mesmo tempo que dá esse frio na barriga, esse nervosismo, também é algo que eu queria muito voltar a fazer. Eu tenho certeza de que vai ser muito marcante não só para mim, mas para a história do programa”. A atriz também avalia a nova dinâmica: “Acho que a gente já tem que chegar mostrando porque está ali. Agora são dois ritmos por domingo e é uma final a cada apresentação. O esforço é muito maior”, confessa a vencedora do ‘Dança dos Famosos’ 2015.

Campeã em 2006, Juliana Didone conta o que aprendeu com a sua primeira passagem pelo palco do Domingão: “Aprendi que a sintonia com o parceiro é fundamental para os passos fluírem. A brincadeira, o jogo do momento acontecem quando os dois estão entregues”. Sobre a sua expectativa para a competição, ela conta, bem-humorada, que espera ir longe: “Eu adoro uma boa competição. Nos desafia”.

E Lucy Ramos, vencedora da última edição do Dança dos Famosos, em 2020, garante que a recente experiência não anula o nervosismo: “Eu achava que sim, mas ao entrar no palco novamente, o frio na barriga foi o mesmo. Porém, agora vou tentar encarar tudo de uma forma diferente, nem sempre temos uma segunda chance de viver uma nova história dentro do mesmo contexto”.

Desde 2013, Tiago Abravanel guarda a dança em um lugar especial e conta que não pensou duas vezes antes de topar este desafio: “Eu não tive muita dificuldade em aceitar o convite porque o Dança dos Famosos foi um projeto que eu amei fazer. Fui muito feliz. Me senti muito honrado em ser um dos 18 escolhidos do Super Dança”.

Já Nelson Freitas, finalista em 2011, confessa nunca ter imaginado reviver os estímulos da dança, e brinca: “Eu tinha jurado a mim mesmo que nunca mais faria uma coisa dessas. Todo o processo exige do participante uma performance olímpica. Mas é um barato poder estar nesta Super Dança”.

O ex-atleta Robson Caetano, vencedor da edição de 2006, também conta por que topou entrar no jogo mais uma vez: “Eu aceitei por uma razão muito simples: adoro desafios. Este ano, temos um elenco bem diversificado, ritmos que eu não dancei na edição em que participei. Sem contar que vou competir com uma garotada, então o nível é outro e a precisão vai ser uma aliada da diversão”.

Carmo Dalla Vecchia também fala sobre a expectativa de voltar a dançar no Faustão: “Foi um misto de adrenalina com a lembrança de um momento muito divertido. Todos nós nos arriscamos muito experimentando a dança de salão e os variados ritmos que geralmente não eram a nossa rotina. Dá um medo muito grande, mas acho uma experiência fantástica correr no sentido do seu medo. Foram momentos como esse que eu mais aprendi na minha vida”.

Já Rodrigo Simas avalia qual a maior dificuldade desta temporada: “Essa coisa de ensaiar em uma semana para dançar… Não é só no ‘Super Dança’ porque foi o meu maior desafio há nove anos, quando participei pela primeira vez do quadro. É aquilo de pegar o ritmo em uma semana e dançar no domingo”. O ator concorda com os outros participantes que o desafio será mais acirrado: “Temos que levar a sério porque o negócio vai ser bom. Estou animado”.

Arthur Aguiar espera uma única coisa do Super Dança: “O que eu quero mesmo é aproveitar ao máximo e me divertir”.

O ator Odilon Wagner conta que leva lições, desde a participação, em 2011: “Aprendi que a gente não pode desistir nunca. Naquela edição fui para a repescagem de cara, mas, mesmo assim, voltei e fui um dos finalistas”. Neste ano, ele espera ir longe: “Se depender do meu empenho e força de vontade, eu e minha parceira chegaremos longe. Espero contar também com a força do público mais maduro a quem eu espero representar nessa edição”.

Marcello Melo Jr também está confiante sobre seu percurso na disputa de dança do Domingão do Faustão: “Tenho certeza que vou até a final. Estou indo para brigar por esse título, pelo mesmo motivo da primeira vez, de querer chegar em casa e ter esse título na minha estante, de poder olhar e me orgulhar dele. Vamos até a final, o espírito é esse”.

Leia mais