CIDADE ALERTA GLOBAL

Globo muda programação e cria telejornal local para o horário de Malhação

Carlos Tramontina é o âncora do SP2: telejornais locais da Globo terão edição antes de Malhação (foto: Reprodução/TV Globo)
Carlos Tramontina é o âncora do SP2: telejornais locais da Globo terão edição antes de Malhação (foto: Reprodução/TV Globo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A Globo liberou mais uma faixa de sua programação para a produção de conteúdos regionais das afiliadas. Desde a última semana, a emissora oficializou que as suas parceiras podem destinar parte do horário ocupado por Malhação para a exibição de pequenos telejornais locais, com foco em reportagens da editoria policial e em temas relacionados a prestação de serviços. A iniciativa, até então autorizada apenas para poucas cidades e em casos pontuais, passou a ser disponibilizada para todas as regionais da líder de audiência. A utilização do novo slot de telejornalismo local, no entanto, é recomendada apenas para cidades em que o canal tem dificuldades crônicas em se impor no final da tarde.

Para viabilizar a exibição dos novos jornalísticos regionais (que tem sua duração limitada em dez minutos), a Globo irá enviar versões editadas dos capítulos do Vale a Pena Ver de Novo e de Malhação. Nas cidades em que as afiliadas optarem pelo telejornal de fim de tarde, as tramas serão exibidas em versão levemente condensada e com intervalos comerciais menores, reduzindo o espaço destinado para chamadas e calhaus — termo usado para peças publicitárias de empresas pertencentes ao mesmo conglomerado do exibidor daquela propaganda.

A reportagem do TV Pop apurou que a gota d’água para que a mudança na programação foram os baixos índices de audiência de Nos Tempos do Imperador em cidades relevantes para o Painel Nacional de Televisão. Em Campinas, a novela das seis passou a sofrer derrotas para a edição regional do Cidade Alerta de maneira cada vez mais frequente: há alguns dias, o folhetim foi superado durante 28 minutos pela TV Thathi, afiliada da Record no cidade. É um feito inédito para uma região em que, tradicionalmente, a EPTV era líder de audiência com folga durante quase todo o dia.

O fracasso da trama histórica também tem afetado o desempenho dos telejornais locais. Acostumados a herdar bons números quase sempre, os jornalísticos passaram a ter a missão de recuperar o público que fugiu do canal durante a exibição na novela das seis. Ainda em Campinas, não é raro que o EPTV2 comece com índices abaixo dos 11 pontos e consiga entregar para Pega Pega na casa dos 20 — marca que ainda assim é abaixo da normal. Em outras cidades, já são frequentes os casos de derrotas pontuais dos noticiosos noturnos para a Record e para o SBT, como em Goiânia e Fortaleza. Em algumas outras, como Brasília e Manaus, a Globo está cada vez menos distante de suas rivais.

Marcela Varani é a apresentadora do EPTV Cidade, criado para frear avanço do Cidade Alerta (foto: Reprodução/EPTV)
Marcela Varani é a apresentadora do EPTV Cidade, criado para frear avanço do Cidade Alerta (foto: Reprodução/EPTV)

Como funciona o novo telejornal

A primeira afiliada a implantar um pequeno jornalístico regional entre o Vale a Pena Ver de Novo e Malhação foi a TV Anhanguera, em Goiânia. Eternamente considerada uma das praças mais problemáticas para a Globo no quesito audiência, a iniciativa foi criada na cidade justamente para frear o avanço da Record e do SBT, que não raramente se alternam na disputa pelo primeiro lugar com o Cidade Alerta local e as novelas mexicanas. Por lá, a emissora exibe o boletim Anhanguera Notícias entre as duas novelas, antecipando os principais temas do JA2 e trazendo informações atualizadas sobre o tempo e o trânsito. A movimentação vingou, e a afiliada encurtou a distância para a concorrência.

Depois, foi a vez do boletim ser implantado na TV Bahia. No ano passado, a emissora passou a ter uma edição curta do BATV para tentar evitar que o público interessado por notícias regionais desistisse de assistir ao folhetim das 18h para acompanhar a programação da Record. Por lá, o horário é diferente: enquanto nas demais regiões o boletim vai ao ar entre o Vale a Pena Ver de Novo e Malhação, na capital baiana a exibição é entre Malhação e a novela das seis, já que o folhetim é o que mais tem dificuldade em se impor diante da concorrência.

Na semana passada, o novo espaço de programação local estreou em Campinas. Por lá, a emissora decidiu utilizar o nome EPTV Cidade para o jornalístico, que é apresentado por Marcela Varani, também âncora do EPTV2. Durante dez minutos, a afiliada atualiza o público sobre o noticiário policial do dia, com a participação de repórteres, e traz informações sobre a previsão do tempo e a movimentação nas rodoviárias da região. A julgar pelos resultados dos primeiros dias, a iniciativa deu certo: desde a criação do telejornal, a emissora não perdeu mais para a Record.

 

Leia mais