OPINIÃO

RedeTV! erra ao achar que apresentadores do Encrenca são substituíveis

Tatola Godas, Dennys Motta, Ângelo Campos e Ricardo Mendonça vão deixar o Encrenca e a RedeTV! (foto: Divulgação/RedeTV!)
Tatola Godas, Dennys Motta, Ângelo Campos e Ricardo Mendonça vão deixar o Encrenca e a RedeTV! (foto: Divulgação/RedeTV!)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A decisão de manter o Encrenca no ar mesmo após o pedido de demissão do quarteto original de apresentadores será apenas mais um dentre tantos erros cometidos pela RedeTV! ao decorrer do ano. Com a cada vez maior proximidade do término de 2021, os executivos da emissora seguem sem conseguir emplacar nenhuma das novidades anunciadas com grande alarde há alguns meses. E pior: o canal não dá nenhum sinal de que poderá ter capacidade para esboçar alguma reação diante de tantos fracassos em tão pouco tempo. A inesperada rescisão dos responsáveis por seu maior ibope semanal só servem para comprovar, mais uma vez, que algo está muito errado na empresa.

Muitos podem até acreditar que o dominical era apenas um programa de vídeos da internet. Isso, porém, é fruto de uma análise extremamente rasa e imprecisa. Bastava assistir ao humorístico por algumas semanas para reparar que as enfadonhas inserções do pitoresco Zap Zap só serviam como barulho de fundo para uma conversa de boteco entre quatro amigos de longa data. Nos últimos anos, o quarteto do Encrenca até pode ter ficado com a fama de narradores de vídeos engraçados. Mas o grande fenômeno da atração era a química de seus apresentadores.

Tatola Godas, Dennys Motta, Ângelo Campos e Ricardo Mendonça já se conheciam muito antes de pensarem em ter um programa de televisão. Amigos de longa data, os quatro também dividem o comando do radiofônico Quem Não Faz Toma, líder de audiência em São Paulo. Na outra atração, que também gira em torno do bate-papo dos amigos, os quatro apresentadores debatem sobre temas banais, como esportes e fofocas, e comandam quadros engraçados, como uma desafinada competição de canto e radionovelas satirizando produções da teledramaturgia nacional.

Ninguém, nem mesmo o próprio quarteto, imaginava que poderia chegar tão longe. E isso é admitido pelos próprios no livro E Não é Que Deu Certo?, lançado pela Universo dos Livros em 2018, ano em que a atração da RedeTV! vivia seu auge em audiência e faturamento. O quarteto poderia ser tranquilamente um frequentador do boteco da esquina de qualquer cidade do país — e de certa forma é, mas com o adicional de que as conversas delirantes e muitas vezes sem sentido algum são transmitidas em horário nobre em uma emissora de abrangência nacional.

A decisão de sair da televisão pode parecer estranha à primeira vista, mas trata-se de um movimento inteligente. Os apresentadores, assim como a maior parte da equipe do dominical, já reclamavam há algum tempo sobre a falta de novos investimentos no projeto. Além disso, o quarteto é assumidamente obcecado em acompanhar os números de audiência da atração, que caiu substancialmente nos últimos meses, muito por conta das várias interrupções para a exibição de comerciais e sorteios da plataforma RedeTV! Plus.

Eles, simplesmente, optaram por sair no auge. O quarteto, goste ou não do conteúdo apresentado pelo Encrenca, já conseguiu colocar seu nome na história da televisão brasileira: o programa que tinha tudo para dar errado se tornou responsável pelo declínio e posterior cancelamento do Pânico. Não era raro que a atração também conseguisse ficar durante alguns minutos na vice-liderança de audiência, superando grifes como o Domingo Espetacular e o Programa Silvio Santos. E tudo isso com o orçamento mensal de um guaraná Dolly sem gás.

A RedeTV! não terá uma tarefa fácil em arranjar substitutos para Tatola, Dennys, Ângelo e Ricardo. O atual casting da emissora não conta com nomes capazes de improvisar durante mais de duas horas, e tampouco dispõe de outras pessoas com tanta química quanto os agora demissionários. Muito provavelmente, os executivos do canal irão optar pela escalação de humoristas enfadonhos, como Victor Sarro e Júlio Cocielo, para narrar vídeos da internet, achando que os índices de audiência serão mantidos.

Uma rápida visita ao passado seria capaz de mostrar que não existe ideia mais idiota. A Band, no auge do desespero para salvar o Pânico, chegou a criar uma atração idêntica ao Encrenca, mas não conseguiu chegar perto dos índices registrados pelo formato original. A emissora apostou justamente em humoristas narrando vídeos da internet e, em uma leitura leviana do programa, acreditou que era aquilo que daria audiência. E, evidentemente, deu errado.


Atualizado às 14h48: A RedeTV! enviou o seguinte posicionamento sobre essa análise, reproduzido na íntegra a seguir.

Nota oficial RedeTV!
A RedeTV! agradece aos companheiros de uma parceria bem-sucedida e feliz por 7 anos e deseja sucesso em seus novos desafios profissionais. Muitas novidades serão anunciadas para o Encrenca nos próximos dias.

Leia mais